quarta-feira, 1 de julho de 2015

Afiando as flechas...

Escrevi este texto a seguir há algum tempo.

Foi postado em um grupo fechado do Facebook de estudo bíblico (pelo método indutivo) e oração, que criei apenas para mulheres (Grupo Mente e Coração).

Por isso, o texto foi escrito para elas.

Mas ante à realidade que a criação de filhos tem presenciado, creio que deva ser lido também pelos homens, ou seja, os pais e propensos pais e, por isto, transcrevo-o aqui publicamente....

Deus lhe abençoe!

Em Cristo,

- Ana Paula Pinheiro de Oliveira

*******************************************************************************

Peço licença para falar sobre algo que deve ser buscado por toda mulher cristã.

É um pensar sobre a maternidade, mas recomendo que todas, mesmo as que ainda não são mães, parem um pouco e pensem comigo...

Temos visto diariamente uma triste realidade gerada pela emancipação feminina: filhos que têm crescido sem a efetiva educação que as mães devem dar e que têm sido educados pela sociedade, esta dominada pela imoralidade, falta de ética, totalmente corrompida.

Isso tem me feito pensar muito!

Ainda mais com as últimas notícias, onde vemos meninos assaltando com violência, ao ponto de matarem com as próprias mãos, professores sendo humilhados, brigas e, pasmem, até mesmo violência sexual sendo praticada por meninos e meninas que ainda estão na adolescência....

Creio que antes de unirmos nossas vozes ao da multidão, que incentivada pela ineficiência da ação governamental, exige hoje ações punitivas em detrimento das educativas, precisamos, como mulheres cristãs, pensar na importância do nosso papel como educadoras.

Sim!

A Palavra de Deus nos diz no Salmo 127:4 que "Como flechas nas mãos do guerreiro são os filhos nascidos na juventude."

Ou seja, nossos filhos são flechas em nossas aljavas, quem lança a flecha somos nós.

Pelo menos, até hoje, não vi nenhuma flecha se lançar sozinha ao alvo...

Só em desenho animado!

Mesmo que sejamos ocupadas com tantos afazeres, devemos PRIORIZAR nossas flechinhas.

Já viram aqueles filmes de arco e flecha?

Repararam no cuidado que os guerreiros têm com seu equipamento?

Sempre limpam, afiam a flecha, avaliam a tração do arco...

Ou seja, cuidam e se esmeram naquilo que lhes foi conferida como missão: acertar o alvo e abater o inimigo.

Nada foi escrito na Palavra de Deus por acaso!

Se lá diz que nossos filhos são flechas dadas por Deus a nós, significa que foi nos dada uma MISSÃO e devemos buscar cumpri-la de modo excelente.

Se assim não fizermos, quem morrerá na batalha somos NÓS e, pior, nossas flechas poderão ser pegas pelo inimigo para que ele use do modo que ele quiser.

Quem sabe venha a usá-las para nos atingir!

Já pensou nisso?

Portanto, não permita que o cansaço, o muito fazer, o lazer, até mesmo a igreja, o seu ministério, ocupem o lugar de primazia que seus filhos e seu lar devem ter.

Você conhece os amigos dos seus filhos?

Sabe qual é o nome dos seus professores, qual a turma que ele está?

Sabe quais são os livros e revistas que ele lê?

E o que ele tem jogado, visto na internet, escutado em sua playlist?

Exagero?

Não!

É ser mãe que ama, que educa!

Na biografia de John Wesley lemos que seu crescimento religioso e moral foi fruto do esforço direto e assíduo de sua mãe, Susana Wesley.

Ela teve 19 filhos e ela tinha um horário específico e regular semanal para cada um em particular, dando-lhes a atenção e a educação específica que necessitavam.

Afiava suas flechas uma a uma, com cuidado.

Duas delas atingiram em cheio o alvo, sendo os homens usados por Deus para promoverem o avivamento britânico no século 18: John e Charles Wesley.

E Moisés?

Leia sobre o papel de Joquebede na vida dele.

Queridas, que paremos e olhemos para nossa casa e busquemos em Deus toda a sabedoria necessária para educarmos nossos filhos.

Ah! Nunca é tarde para começar...

Eu estou pensando muito nisso, muito mesmo!

Se desejarem, compartilhe com outras mães essa preocupação, para que Deus possa nos usar como guerreiras que sabem realmente usar suas flechas.

Sempre me cobro como mãe, pois quero chegar aos céus e Karina e Kemuel estarem comigo lá.

Em Cristo,

Sua amiga de jornada “Mente e Coração”,

Ana Paula Pinheiro de Oliveira

Em 23 de maio de 2015.

Nenhum comentário: