quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Dicas para criar o hábito da leitura

Ler é um dos bons hábitos que devemos cultivar. Mas sei que muitos não o têm e acabam por não usufruir das tantas beneficies que tal hábito proporciona.
Se você não tem o hábito de ler DIARIAMENTE e de forma produtiva, ou seja, tendo prazer e apreendendo algo, eis aqui algumas dicas (Elas também valem para a leitura da Bíblia!):

1 – Escolha um livro de fácil leitura, independente do estilo, cujo autor seja recomendado (Inclusive, se o livro não for cristão, procure aquele cujo conteúdo não seja duvidoso, tendencioso, maligno, de autoria não recomendada etc.). (Caso queira uma indicação, pergunte-me que lhe direi os de minha preferência. Mas adianto em dizer que gosto literário também é algo muito pessoal. Você vai perceber isso ao criar o hábito da leitura, onde você vai se ver mais tendencioso para um estilo, autor e/ou tema).

2 – Procure ter um horário do dia para você, onde você pare um pouco (mesmo que 15 minutos) apenas para ler. Posicione-se para a leitura sempre sentado, pois o fato de você estar procurando criar um hábito leva ao cansaço rapidamente e, se você deitar, é óbvio que nas primeiras linhas você vai desistir e dormir.

3 – De início, programe somente 10 minutos de leitura. Coloque o celular para lhe avisar que já se passaram 10 minutos e pare de ler, independente se tiver terminado o capítulo ou o parágrafo. Explico: Sabe porque temos o hábito de assistir novelas ou seriados? Por causa do gostinho de continuidade que o final do capítulo assistido nos provoca. É esse mesmo gostinho que o parar a leitura dentro do estipulado vai lhe provocar. No outro dia, inicie a leitura de onde parou e marque mais 10 minutos. Faça isso por uma semana. Na outra semana, aumente um pouco os minutos. Ah! Por isso que falei para ler um livro de fácil leitura. Evite para esse momento os livros técnicos, doutrinários, extensos etc.

4 – Marque no livro as frases que lhe chamar a atenção ou escreva a sensação que você estiver vivenciando no momento da leitura (Exemplo: Leu algo que lhe fez rir, coloque um rostinho alegre do lado; que lhe deixou alguma dúvida, coloque uma interrogação e por aí vai). (Eu marco até os livros de romance que leio.).

5 – Não desista do livro que começou a ler. Persista! Mesmo se não estiver agradando o enredo, vá até o final. Você vai, com isso, poder opinar de forma convincente se lhe perguntarem futuramente se o livro é bom ou não, relatando o que lhe desagradou nele todo e não apenas em certos trechos.

Boa leitura!

- Ana Paula Pinheiro de Oliveira


quinta-feira, 8 de outubro de 2015

70 x 7 = praticamos?

Há atitudes entre os que se dizem cristãos que ainda não consigo compreender, pois quando vou para a Palavra de Deus não encontro um versículo (mesmo que isolado) que possa corroborar com tais.
Quais seriam? 
O famoso "dar as costas ao outro" ou "à comunidade", até mesmo com o uso de palavras e ações que exteriorizam mais mágoa e ira do que realmente o amar sem olhar a quem e porquê, criando atritos e fomentando picuinhas, ao ponto de criarem seus guetos e convívios privados, pois não há como conviverem com os "desafetos"; o se arvorar de conhecimento e sabedoria, usando de palavras depreciativas para poder impor tais saberes, ao ponto de criarem critérios de elegibilidade celestial e santidade, tornando-se porteiros da Eternidade; o fato de dizer "assim sou eu", não aceitando a autoridade eclesiástica e combatendo-a com atitudes que beiram de modo bem perigoso à rebelião.

Todos os dias tenho o cuidado de fazer uma autocrítica e avaliar meu falar e agir em relação aos meus irmãos. 
Não por ser melhor do que alguém, mas por reconhecer que o meu "eu" por vezes se acha superior e, infelizmente, o mal está latente em mim. 
Por causa disso, necessito mortificá-lo por meio de minha total entrega a Deus, permitindo que o querer Dele prevaleça e devo procurar obedecer a Sua Lei, principalmente em meus relacionamentos.

Perdoe-me!
Se você conhece/leu versículos que possam comprovar que podemos ter atitudes de ira, não falar com aquele ou aquela, dar as costas por não aceitar certas coisas, e por aí vai, aceito que me mostre e que conversemos exaustivamente e com sabedoria, tendo o Espírito Santo como nosso Mediador e Testemunha.

Mas antes, por favor, explique-me pelo menos estes aqui (há muitos outros que poderia ainda relacionar):

* Hebreus 12:14-15 - Esforcem-se para viver em paz com todos e para serem santos; sem santidade ninguém verá o Senhor. Cuidem que ninguém se exclua da graça de Deus; que nenhuma raiz de amargura brote e cause perturbação, contaminando muitos;

* Provérbios 15:18 - O homem irritável provoca dissensão, mas quem é paciente acalma a discussão.

* 1Coríntios 6:1-8 - Se algum de vocês tem queixa contra outro irmão, como ousa apresentar a causa para ser julgada pelos ímpios, em vez de levá-la aos santos? Vocês não sabem que os santos hão de julgar o mundo? Se vocês hão de julgar o mundo, acaso não são capazes de julgar as causas de menor importância? Vocês não sabem que haveremos de julgar os anjos? Quanto mais as coisas desta vida! Portanto, se vocês têm questões relativas às coisas desta vida, designem para juízes os que são da igreja, mesmo que sejam os menos importantes. Digo isso para envergonhá-los. Acaso não há entre vocês alguém suficientemente sábio para julgar uma causa entre irmãos? Mas, em vez disso, um irmão vai ao tribunal contra outro irmão, e isso diante de descrentes! O fato de haver litígios entre vocês já significa uma completa derrota. Por que não preferem sofrer a injustiça? Por que não preferem sofrer o prejuízo? Em vez disso vocês mesmos causam injustiças e prejuízos, e isso contra irmãos!

* Mateus 5:23-24 - Portanto, se você estiver apresentando sua oferta diante do altar e ali se lembrar de que seu irmão tem algo contra você, deixe sua oferta ali, diante do altar, e vá primeiro reconciliar-se com seu irmão; depois volte e apresente sua oferta.

* Provérbios 6:16-19 - Há seis coisas que o Senhor odeia, sete coisas que ele detesta: olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, coração que traça planos perversos, pés que se apressam para fazer o mal, a testemunha falsa que espalha mentiras e aquele que provoca discórdia entre irmãos.

* Lucas 17:3-4 - Tomem cuidado. Se o seu irmão pecar, repreenda-o e, se ele se arrepender, perdoe-lhe. Se pecar contra você sete vezes no dia, e sete vezes voltar a você e disser: ‘Estou arrependido’, perdoe-lhe.

* Efésios 4:26-27 - Quando vocês ficarem irados, não pequem. Apazigúem a sua ira antes que o sol se ponha e não deem lugar ao Diabo. Deus lhe abençoe!!! - ANA PAULA PINHEIRO DE OLIVEIRA

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Diante do Espelho

Descrição de como meu ser estava em 12 de setembro de 2009.
O extravasar de uma luta interna.

Corri para os pés da cruz e falei diretamente com o meu Salvador e essa foi a oração:

"Sonda-me, ó Deus, e conheces as minhas intenções

Vê se há em mim algo que te ofende e dirige-me pelo caminho eterno." (Sl 139.23-27)


======



segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Sossegar.....


terça-feira, 11 de agosto de 2015

Jo 1:38 - "O QUE VOCÊS QUEREM?"

Há um algo dentro de nós que ainda falta, não podemos negar.

Há uma interrogação que necessita de respostas,
... uma lágrima que necessita ser enxuta,

... uma ansiedade que nos traz tiques nervosos,
... um olhar que sempre está em busca de novos horizontes e cores,
... um sorriso que não deseja mais estar solitário,
... um colo que deseja aninhar algo,
... um sonho que almeja a realização,
... um caminhar que espera não ser sozinho,
... um carinho que necessita ser externado,
... um conhecimento que ainda não foi alcançado.

Há um algo!

Salomão nos diz que Deus "pôs no coração do homem o desejo pela eternidade" (Ec 3:11b), só que nós não conseguimos "compreender inteiramente o que Deus fez" (Ec 3:11c).

E por causa disso, sempre estamos buscando, mesmo que inconscientemente, estamos buscando preencher esse algo com várias coisas, quando apenas a Eternidade satisfará tal algo.

Lendo o Evangelho de João, especificamente os 5 versículos do capítulo 1:35-39, é possível ver isso que acabei de escrever.

Uma pergunta feita por Jesus aos dois discípulos (André e João) de João Batista que Lhe foram procurar nos faz reconhecer que temos um algo em nós: “O que vocês querem?” (v. 38a).

Com essa pergunta, Jesus queria levá-los a refletirem sobre a motivação de estarem procurando por Ele, se apenas era por motivos emocionais ou por João Batista tê-los dito para irem buscá-Lo ou se realmente tinham consciência do que eles precisavam.

Jesus diretamente exige que eles falem, demonstrem, externem o que querem na vida.

E a resposta de ambos reflete que eles queriam mais do que apenas um encontro e satisfação de curiosidade, queriam intimidade, queriam conhecer realmente quem Ele era e segui-Lo de forma integral: "Rabi, onde estás hospedado?" (v. 38b)

Ao dizerem "Rabi", eles demonstraram que reconheciam Jesus como um mestre "público de um assunto divino" (Carson), ou seja, revelaram que estavam ali por reconhecer de forma honrada que Ele, Jesus, era alguém que se relacionava com Deus de forma verdadeira e que publicamente demonstrava tal relacionamento, atraindo pessoas para perto Dele por meio do Seu falar e agir.

João e André quiseram mais, pediram para estar mais próximos, pediram para ouvi-Lo de modo mais devotado, de perto, "onde estás hospedado?", ou seja, "queremos nos sentar contigo, queremos aprender tudo o que falares, queremos ver o que fizeres".

E quando corações se chegam desse modo diante de Jesus, Ele automaticamente responde: "Venham e verão" (v. 39a).

E André e João viram!

Viram água se transformando em vinho; cego enxergando, coxo andando, mudo falando, fluxo de sangue estancado; 5 pães e 2 peixes alimentarem uma multidão e sobejarem em 12 cestos; o Homem andando sobre águas turbulentas e ordenando a tempestade se acalmar; mortos terem vida novamente.

Só que mais e melhor do que isso tudo, eles viram a Eternidade no Deus Homem se entregando como o Cordeiro de Deus em uma cruz.

Sim! A Eternidade! Aquilo que tantos ansiamos alcançar e nos é impossível! Ela mesmo veio e se entregou para ser o Caminho: Cristo Jesus!

Viram Ele sendo preso, açoitado, cuspido, crucificado! 3 dias depois, viram-No ressurreto, em corpo glorificado e depois sendo assunto aos céus.

Eles VIRAM a Eternidade e foram por ela acolhidos e tiveram o “algo” de dentro de si completa e plenamente preenchido.

E você, o que responderá a Jesus?

O que você quer Dele?

Ele já lhe deu a resposta, basta você aceitar ao convite:
"Venha e verá!"


Deus lhe abençoe!
- Por Ana Paula Pinheiro de Oliveira 

em 11/08/2015 às 10h08.


(A imagem publicada foi copiada de makingitinthefastlane.blogspot.com.)

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Passará!

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Vou!



terça-feira, 14 de julho de 2015

Bodas de Trigo



Hoje fazemos Bodas de Trigo.

Trigo é um grão conhecido em todo o mundo, sendo básico na fabricação de pães, um alimento que em todas as culturas está presente.
Biblicamente é um termo que cuja raiz significa “temperar, tornar temperado” e “embalsamento”; ou seja, trigo é o elemento que traz “tempero à humanidade e preserva a mesma para que alcance o favor do Eterno”.
Que linda simbologia para 3 anos de casamento.

Pois quando paro para pensar em nossas vidas, não há como não perceber que nossa união nos proporcionou temperá-la com alegria, compreensão, desejo, bondade, persistência, fidelidade, integridade.

Podemos diariamente sentir sabores que ainda não havíamos experimentado de modo real ou que não conhecíamos.

E, deste modo, temos preservado nossas vidas para que alcancemos diariamente o favor de Deus.

Portanto, minha oração no dia de hoje é para que Ele mantenha nossas fronteiras em segurança e supra-nos com o melhor do trigo (Salmo 147:14), dando-nos o pão de cada dia (Mateus 6:11), que é Cristo.

Assim, viveremos aqui na terra os sabores da Eternidade.


Amo você, Ruy!!!!!!

Convicto.

Convicto é aquele que tem certeza de um fato, com provas evidentes, provas morais.

E na sociedade hodierna vivemos uma certa crise de convicções, pois a alma do homem busca uma razão de ser e as muitas vozes não têm lhe dado a certeza desse ser.

Vozes que com palavras rebuscadas, com aparência de sabedoria e, até mesmo, com nuances de milagres, propagam muitas “verdades” que apenas se conformam ao particular, ao agora.

Verdades que se diluem e escapam pelos dedos da razão moral, que necessita da especificidade, do concreto, da realidade, para poder ser satisfeita.

Deus criou o homem. Isso é fato!

Deus estabeleceu leis morais para o homem e, infelizmente, este quebrou tais leis, tornando-se pecador.

E, por causa do pecado, o homem está separado do Eterno Criador e sua alma anseia por estar novamente no Jardim do Éden para diariamente conversar com Deus.

Por causa dessa culpa para com a divindade, há silenciosos gritos que ecoam internamente:

- Porque estou aqui?
- Para o quê nasci?
- Como vou preencher isso?
- Alegria, cadê você?
- O que me falta para ser completo?
- Será que vai ser sempre assim?
- Essa dor não vai passar não?

Silenciosos gritos, pois o ser-humano tem a habilidade de abafar suas angústias internas, mas jamais consegue calar seu ressoar na consciência.

E, por assim ser, o homem acaba por externar atitudes que evidenciam esses gritos silenciosos, tornando-os audíveis em cada gesto, expressão e até mesmo palavras, escritas ou faladas.

O homem precisa de certezas, mesmo que não queira afirmar.

Ele busca SALVAÇÃO, ou seja, ter resposta para todos os questionamentos internos que lhe causam angústia e, por vezes, até sabor de morte na alma.

E com o passar das gerações, mais e mais a humanidade tem se tornado surda para a ÚNICA VERDADE, que Pedro divinamente expressou diante dos seus inquisidores: “Não há salvação em nenhum outro, pois, debaixo do céu não há nenhum outro nome dado aos homens pelo qual devamos ser salvos.” (Atos 4:12), que é JESUS.

Pedro e João falavam de modo convicto, ou seja, eles tinham provas, pois suas almas haviam encontrado Aquele que é o FUNDAMENTO para que suas razões morais fossem satisfeitas por completo.

JESUS não foi apenas mais um grande mentor ou fomentador de uma religião: ELE É DEUS!

Que se encarnou para na Cruz pagar a dívida do pecador que toda a humanidade tem para com o Eterno Criador. 

Hoje podemos voltar ao Jardim do Éden, pois Cristo é o CAMINHO para ele!

Hoje podemos realmente viver, pois Cristo é a VIDA!

Hoje podemos ser CONVICTOS, pois Cristo é a VERDADE!

Se você não tem essa convicção, convido você a ser mais um CONVICTO, por meio de Cristo Jesus.

Deus lhe abençoe!!!!!!

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Afiando as flechas...

Escrevi este texto a seguir há algum tempo.

Foi postado em um grupo fechado do Facebook de estudo bíblico (pelo método indutivo) e oração, que criei apenas para mulheres (Grupo Mente e Coração).

Por isso, o texto foi escrito para elas.

Mas ante à realidade que a criação de filhos tem presenciado, creio que deva ser lido também pelos homens, ou seja, os pais e propensos pais e, por isto, transcrevo-o aqui publicamente....

Deus lhe abençoe!

Em Cristo,

- Ana Paula Pinheiro de Oliveira

*******************************************************************************

Peço licença para falar sobre algo que deve ser buscado por toda mulher cristã.

É um pensar sobre a maternidade, mas recomendo que todas, mesmo as que ainda não são mães, parem um pouco e pensem comigo...

Temos visto diariamente uma triste realidade gerada pela emancipação feminina: filhos que têm crescido sem a efetiva educação que as mães devem dar e que têm sido educados pela sociedade, esta dominada pela imoralidade, falta de ética, totalmente corrompida.

Isso tem me feito pensar muito!

Ainda mais com as últimas notícias, onde vemos meninos assaltando com violência, ao ponto de matarem com as próprias mãos, professores sendo humilhados, brigas e, pasmem, até mesmo violência sexual sendo praticada por meninos e meninas que ainda estão na adolescência....

Creio que antes de unirmos nossas vozes ao da multidão, que incentivada pela ineficiência da ação governamental, exige hoje ações punitivas em detrimento das educativas, precisamos, como mulheres cristãs, pensar na importância do nosso papel como educadoras.

Sim!

A Palavra de Deus nos diz no Salmo 127:4 que "Como flechas nas mãos do guerreiro são os filhos nascidos na juventude."

Ou seja, nossos filhos são flechas em nossas aljavas, quem lança a flecha somos nós.

Pelo menos, até hoje, não vi nenhuma flecha se lançar sozinha ao alvo...

Só em desenho animado!

Mesmo que sejamos ocupadas com tantos afazeres, devemos PRIORIZAR nossas flechinhas.

Já viram aqueles filmes de arco e flecha?

Repararam no cuidado que os guerreiros têm com seu equipamento?

Sempre limpam, afiam a flecha, avaliam a tração do arco...

Ou seja, cuidam e se esmeram naquilo que lhes foi conferida como missão: acertar o alvo e abater o inimigo.

Nada foi escrito na Palavra de Deus por acaso!

Se lá diz que nossos filhos são flechas dadas por Deus a nós, significa que foi nos dada uma MISSÃO e devemos buscar cumpri-la de modo excelente.

Se assim não fizermos, quem morrerá na batalha somos NÓS e, pior, nossas flechas poderão ser pegas pelo inimigo para que ele use do modo que ele quiser.

Quem sabe venha a usá-las para nos atingir!

Já pensou nisso?

Portanto, não permita que o cansaço, o muito fazer, o lazer, até mesmo a igreja, o seu ministério, ocupem o lugar de primazia que seus filhos e seu lar devem ter.

Você conhece os amigos dos seus filhos?

Sabe qual é o nome dos seus professores, qual a turma que ele está?

Sabe quais são os livros e revistas que ele lê?

E o que ele tem jogado, visto na internet, escutado em sua playlist?

Exagero?

Não!

É ser mãe que ama, que educa!

Na biografia de John Wesley lemos que seu crescimento religioso e moral foi fruto do esforço direto e assíduo de sua mãe, Susana Wesley.

Ela teve 19 filhos e ela tinha um horário específico e regular semanal para cada um em particular, dando-lhes a atenção e a educação específica que necessitavam.

Afiava suas flechas uma a uma, com cuidado.

Duas delas atingiram em cheio o alvo, sendo os homens usados por Deus para promoverem o avivamento britânico no século 18: John e Charles Wesley.

E Moisés?

Leia sobre o papel de Joquebede na vida dele.

Queridas, que paremos e olhemos para nossa casa e busquemos em Deus toda a sabedoria necessária para educarmos nossos filhos.

Ah! Nunca é tarde para começar...

Eu estou pensando muito nisso, muito mesmo!

Se desejarem, compartilhe com outras mães essa preocupação, para que Deus possa nos usar como guerreiras que sabem realmente usar suas flechas.

Sempre me cobro como mãe, pois quero chegar aos céus e Karina e Kemuel estarem comigo lá.

Em Cristo,

Sua amiga de jornada “Mente e Coração”,

Ana Paula Pinheiro de Oliveira

Em 23 de maio de 2015.

sexta-feira, 12 de junho de 2015

Conforto na jornada.

Nós buscamos conforto.
Não digo nesse texto um conforto físico, mas um que transcende o material.
Digo um conforto espiritual, mental, emocional.
Não podemos negar que na nossa jornada, nos passos que damos no caminho por nós escolhido, almejamos descanso, conforto, regozijo, satisfação.
A escolha do caminho certo por si só seria o suficiente, pois quando escolhemos seguir o caminho de Deus, com certeza o final dele é de esplendor.
Mas há a jornada!
Não tem como chegar ao final dela sem que andemos e, em certos momentos, corramos.
Não tem mesmo!
E desejamos caminhar “confortavelmente” nessa jornada.
E o caminho é estreito.
Como é!
Por ser estreito,...
... é necessário deixar pelo caminho algumas “bagagens de vontades” que se tornariam pesadas em uma escalada,
... temos que nos desvencilhar de algumas “pedras de atitudes de outrens” para que não nos firamos,
... devemos utilizar o “mapa sagrado” para que não sejamos tentados a desviar por um atalho, achando que assim chegaremos rápido ao que buscamos.
Isso cansa!
Se dissermos que não, a sinceridade não está em nossas palavras.
Somos humanos.
Somos carne.
Somos normais.
Não nos tornamos superpoderosos pelo fato de sermos cristãos.
Somos vitoriosos sim, mas ainda estamos aqui na terra.
Há a jornada!
Então questionamos: há como vivenciar durante a jornada o “conforto” que buscamos? Há?
O profeta Isaías respondeu com primor essa questão.
Em seu livro, no capítulo 40, a partir do versículo 27 até ao 31, inspirado por Deus, ele mostrou ao povo israelita que eles tinham como vivenciar conforto na sua jornada terrena.
Leia essa passagem antes de continuar a leitura deste texto...


------------------------------

Leu?
Então continuemos...

------------------------------

Tal ensinamento dado aos israelitas nos alcança!
É de vital importância para nosso crescimento espiritual lermos o antigo testamento e aprendermos com cada personagem lições preciosíssimas para nossas vidas.

A primeira lição que temos é esta:
- PARA VIVERMOS o “CONFORTO” NA JORNADA, TEMOS QUE TER EM NOSSA MENTE QUEM NÓS SOMOS.

Por que você reclama, ó Jacó, e por que se queixa, ó Israel:” (Is 40.27a).

Deus utiliza-se da melhor pedagogia para poder ensinar ao povo algo preciosíssimo: o de trazer à memória fatos já conhecidos, vivenciados por eles.
Ao chamá-los de Jacó e Israel, estava lhes mostrando sua origem e no que haviam se tornado pelo Seu poder.
O mesmo nós devemos fazer.
Devemos lembrar o que éramos ou o que poderíamos ser se não fosse o amor incomparável de Deus por nós, que nos alcançou e nos tirou de uma condição de criatura para sermos Seus filhos.
Quantas vezes esquecemo-nos disso e achamos que a jornada é cansativa, sentimos o peso das consequências dos pecados passados, dos medos, da ansiedade.
Quantas vezes caminhamos arrastando os pés...
Quantas vezes caminhamos com os olhos baixos...
Devemos ter sempre em nossa mente nossa história, não para ficarmos remoendo ou martirizando-nos, mas para termos consciência do que ELE fez em nós.
Se não fosse por Deus, nem aqui estaríamos, pois o fôlego de vida é Ele quem dá.
Antes caminhávamos por uma estrada até larga, mas éramos obrigados a carregar uma bagagem pesadíssima e andar com os pés cheios de chagas.
Sim!
Bagagens de uma consciência intranquila, de uma alma insaciável...
Pés cheios de chagas das consequências de nossos atos...
Mas hoje não!
Estamos no caminho estreito, mas Deus nos faz lembrar agora que antes éramos como Jacó, mas hoje somos como Israel, um povo amado, separado, LIMPO, SADIO.

A segunda lição:
- PARA VIVERMOS O “CONFORTO” NA JORNADA, TEMOS QUE TER EM NOSSA MENTE QUEM É DEUS.

... O Senhor é o Deus eterno, o Criador de toda a terra.” (Is 40.28b)

Não isolando este versículo, mas lendo todo o contexto dele, vemos que Deus diz ao Seu povo claramente quem Ele é em pouquíssimas palavras.
Mais uma vez utiliza-se de outra ferramenta pedagógica excelente: o questionamento.

Será que você não sabe? Nunca ouviu falar?” (Is 40.28a)

Quando somos questionados, procuramos automaticamente uma resposta para indagação e, dessa forma, externamos o que realmente temos em nosso coração.
Verdade é que facilmente nos esquecemos de quem é Deus.
O povo israelita foi mais do que suscetível a esse questionamento.
O que nos conta a jornada no deserto depois de saírem do Egito?
O que nos contam os juízes e os reis?
O mesmo fato: eles facilmente se esqueciam de quem era Deus.
Nós temos também esta facilidade.
A memória é algo que necessita sempre ser exercitada, alimentada, por meio de informações externas.
E hoje em dia o que temos é uma verdadeira enxurrada de informações por vários meios e a maioria deles não nos informa quem é Deus.
Não mesmo!
Temos que conhece-Lo por meio de uma comunhão contínua e intensa, através da oração e leitura de Sua Palavra.
Que Deus maravilhoso!
Nosso Criador é mais do que sabedor da nossa necessidade de O conhecermos, como também sabe que o pecado não nos permite compreender totalmente quem Ele é apenas por nossas consciências ou pela Sua criação.
Deixou-nos, por esta razão, esse Livro, a Bíblia Sagrada, onde Ele não procura dizer quem É, mas onde Ele nos mostra Seu agir e Seu amor.
E também nos deu livre acesso ao Seu Trono, enviando Seu Filho para pagar nossa dívida.
Há conforto maior do que esse?
Saber que estamos na jornada traçada pelo Único Deus, que é Criador, Soberano, Onisciente, Onipresente, Onipotente, Presciente, Justo e outros mais atributos que Sua Palavra nos mostra.
Há conforto maior?
Quando temos consciência disso, quando buscamos ter isso vivo em nossa mente, a jornada é diferente.
Muito diferente!
Então, prossigamos em conhecer o Deus que servimos.

E por último:
- PARA VIVERMOS O “CONFORTO” NA JORNADA, TEMOS QUE ESPERAR NO SENHOR.

... aqueles que esperam no Senhor renovam as suas forças.” (Is 40.31a)

O povo israelita com facilidade se cansava, fadigava, pois achava que poderia confiar em suas próprias habilidades, em sua fama, em si apenas.
E Deus lhes mostra que a condição primordial para tal conforto na jornada é o de apenas ESPERAR nele.
Esta palavra “esperar”, no original, denota a ideia de entrelaçamento, fios envoltos um no outro, tornando-os mais fortes para o uso.
Este esperar nada mais é do que os fios da FÉ e PACIÊNCIA entrelaçados.
Mas não quaisquer fé e paciência, mas o confiar plenamente nas promessas por Deus proferidas, ao pondo de reconhecermos que nossos planos e projetos são inúteis ante ao Seu querer, e a paciência de ver que no tempo certo Deus fará com que tudo seja efetivamente ocorrido, pois Ele é Soberano.
Quando procuramos agir de outra forma, com certeza nos cansaremos e viveremos uma jornada desconfortável, pois estaremos sempre nos colocando em uma posição de senhores de nossas vidas, quando não devemos ser.
Ele é o Senhor!
E quando assim fazemos, tudo muda...

Enfim..... 
....... os que procuram seguir esses conselhos que Isaías disse em seu livro:

Voam alto como águias; ....” (Is 40.31)

Não que deixemos de caminhar.
Mas no caminhar algo acontece: Deus VEM e caminha conosco.
Ouvimos muito: "Deus nos faz como águias para voarmos acima das dificuldades e estarmos mais perto Dele".
Lindo!
Quantos já não deixaram mensagens baseados nessa verdade.
Sim, é verdade!
Mensagens lindas, que nos fortalecem e nos conduzem a uma certeza: Deus está conosco!
Mas a grande mensagem continua e é essa parte que eu mais gosto:

... correm e não ficam exaustos, andam e não se cansam.” (Is 40.31)

Entendeu?
Não!
Veja: correr e andar são ações que ocorrem no mesmo plano dos problemas.
Não acima.
Não longe dos olhos.
Não sem tocar.
É estar no meio deles, entre eles, vendo-os, sentindo-os.
Isso nos faz ficar desconfortáveis, claro!
Pois o que mais queremos é não ter o incômodo.
Correr e andar nos faz estar em contato...
... com a preocupação,
... a dor,
... os dilemas,
... o sofrimento,
... o cansaço,
... a morte,
... o pecado.

Pelo que a Palavra de Deus nos mostra, é quando corremos e andamos que permitimos que Deus esteja agindo em prol de nós.
Correr e andar é TER FÉ, é SER PACIENTE!
Como?
No voo, NÓS VAMOS.
No correr e andar, ELE VEM.
Deus vem ao nosso encontro e caminha ao nosso lado e, quando a jornada se torna cansativa, Ele nos conforta em Seus braços e continua a nos levar até o Seu encontro.

Será que conhecemos Deus assim?
Temos comunhão com Ele desse modo?
Entregamos tudo o que temos e somos?
Se sim, então...
... correremos e andaremos nessa jornada sem nos cansar e fadigar.
E chegará o dia em que voaremos e habitaremos eternamente com Deus.
ACREDITE!
O conforto na nossa jornada é possível, basta termos fé pacientemente em Deus.

Acredite!!!

Deus lhe abençoe!

Em Cristo,

- ANA PAULA PINHEIRO DE OLIVEIRA

segunda-feira, 25 de maio de 2015

:'(


quarta-feira, 20 de maio de 2015

Conceituação x Realidade


Um pensar particular relativo ao conceito de educação e o que realmente temos visto nos dias de hoje.

As palavras possuem seus conceitos, definições.
Algumas vezes a realidade não evidência de modo fidedigno tais conceitos, gerando certos incômodos pessoais e até mesmo sociais.
Uma delas é o conceito de Educação.

Educar, no sentido mais amplo, significa “o meio em que os hábitos, costumes e valores de uma comunidade são transferidos de uma geração para a geração seguinte.”
Para tanto, ela se desenvolve nas situações presenciadas e experiências vividas por cada indivíduo ao longo da sua vida.

Educação não é adestramento.
O homem é capaz de elaborar, modificar, ou seja, é racional e desenvolve a linguagem (em todas suas formas).
Por isso que o processo ensino e aprendizagem deve compreender o indivíduo como esse ser racional que precisa ser educado para que seja efetivamente constituído o Ser Humano, o verdadeiro cidadão.

Mas o que temos visto hodiernamente na sociedade é uma progressão de hábitos, costumes e valores que têm sido deteriorados.
A moral e a ética têm tido suas bases, tanto culturais quanto acadêmicas, abaladas de modo incisivo.
E isso tem conferido o que podemos dizer ser uma “falta de educação” em certas relações sociais do homem ante aos outros e às situações da vida.

Temos educado nossos filhos?

Têm eles recebido realmente educação nas instituições educacionais que frequentam?

E mais, têm eles sido educados nas instituições religiosas que estejam participando?

Tem realmente o pedagogo/professor compreendido sua missão, independente dos revezes que se apresentam no exercício de sua profissão?

São questionamentos que devem ser considerados na pedagogia, pois ela "é o campo do conhecimento científico referente à teoria e à prática educativa, sendo constituída por saberes especializados e autonomamente estabelecidos, os quais são necessários ter-se em conta para enfrentar a complexidade dos fenômenos educativos. (Introdução aos estudos de gestão e política nos espaços educativos. Editora Pearson Prentice Hall, 2011. São Paulo, SP, p. 5.)

Ou seja, é na pedagogia que respostas podem ser formuladas e, a partir delas, direcionadas as ações para que haja o devido encaminhamento da educação nas instituições educacionais.

Isso é um processo contínuo.
Pois o ser humano está em constante evolução desde o seu nascimento, tanto nas suas faculdades físicas, quanto intelectuais, morais e sociais.
Quando “bem educado” melhor se integra à sociedade.

Da minha infância e adolescência posso elencar várias situações e relações que comprovam o valor de uma verdadeira educação, pois tive pais e professores que souberam exercer de modo eficiente seus papeis, não levando em consideração as dificuldades inerentes à minha pessoa como um todo (personalidade, deficiência de aprendizagem e outros), como também às dificuldades inerentes às políticas educacionais e salariais.
Revendo tal período da minha vida, percebo que os professores que mais marcaram minhas memórias não têm a ver com português e literatura, que são áreas que hoje me atraem, por ser uma leitora, com prazer, e por procurar expor meus pensamentos em palavras escritas.

Paro e fico pensando sobre isso...

Acho interessante perceber que mesmo tendo sido exitosa nessas disciplinas, os que a lecionaram nunca me fizeram ir além do que ensinavam e, por isso, não foram tão marcantes.
Já os outros, me instigavam a mais, sempre me mostravam que o saber é para ser buscado como um tesouro precioso e que eles estavam me dando o mapa para encontra-lo.
Devo a eles esse meu desejo ainda latente em relação ao saber mais.

Sei que o professor brasileiro é desmerecido.
Mas como pedagogo deve questionar de onde parte tal desmerecimento e buscar por meio de sua atuação modificar a realidade que ora se apresenta.

Ao falar sobre pedagogos, Platão uma vez disse: “São muitos os que usam a régua, mas poucos os inspirados.”

Que possamos buscar nossa inspiração na alegria sentida ao se ver o sucesso do próximo, com os quais temos o privilégio de em uma fase de suas vidas (infância ou adolescência) educar em uma das tantas matérias curriculares que se apresentam e, por meio delas, dar-lhes uma base sólida que se evidencia em atitudes morais e éticas de um caráter bem formado.

Afinal, a educação “é um processo social, é desenvolvimento. Não é a preparação para a vida, é a própria vida.”, como bem disse John Dewey.


Ana Paula Pinheiro de Oliveira
   (outubro de 2013)




terça-feira, 19 de maio de 2015

Avançar...


sexta-feira, 8 de maio de 2015

Continuar a caminhada...


sexta-feira, 1 de maio de 2015

Verdade

Ah! 

A Verdade!

Uma palavra que perdeu muito do seu significado atualmente, pois seu conceito tem sido associado à imagem de pessoas com condutas infelizes.

Sim!

Com a boca dizem expressar a verdade, mas na prática não é aquilo que dizem.

E assim a palavra verdade tem perdido seu valor na sociedade e também nos meios cristãos.

E estudando a 2ª Carta de João, fica evidente que quem conhece a Verdade revelada em Cristo é que realmente pode dar a real definição de "alėthea".

Essa palavra originalmente traz o seguinte entendimento: "amor à verdade, que é aquilo que não está oculto, mas aberto e que pode ser conhecido; amor este tanto em palavras quanto em conduta, veracidade de atos".

E é isso que podemos compreender nos primeiros quatro versículos de 2ª João.

Deixa eu lhe mostrar o que minha Mente e Coração apreenderam...

João nos diz que a Verdade não é apenas para ser falada, mas praticada.

Quando Jesus foi questionado (Mt 22:16; Mc 12:14), chegaram até Ele dizendo que sabiam que era verdade o que dizia, pois Ele mostrava em Suas atitudes e não permitia que nada nem ninguém modificasse isso.

Além disso, na carta de João vemos que ele se alegrou muitíssimo, pois VIU filhos da "Senhora Eleita" caminhando, andando na Verdade.

Esse caminhar, andar, no original é relacionado a comportamento.

Não sei você, mas quando isso acima saltou diante dos meus olhos, minha alma foi questionada.

- Minha conduta tem sido evidência da verdade que falo?

Verdade não se desassocia de prática!

Se digo que amo, tenho que praticar atos de amor.

Se digo que perdoo, tenho que mostrar que perdoei.

Se digo que leio a Bíblia e oro, tenho que evidenciar que a minha comunhão com Deus tem mortificado minha carne.

Agora compreendo mais ainda o "em espírito e em verdade" de João 4:23!

Aleluia!

Que eu e você possamos mais e mais ser por Deus moldados, até ao ponto de totalmente sermos devotados, entregues, comprometidos apenas e tão somente a Ele.

Que falemos a Deus o que os espias disseram a Josué:
"A nossa vida responderá pela vossa..." (Js 2:14a).

Deus lhe abençoe!

Inté....

- ANA PAULA PINHEIRO DE OLIVEIRA