quarta-feira, 27 de julho de 2011

Ser simplesmente ANA....

Há uma sequência de palavras que estão procurando o seu correto expressar e, por assim estarem, vivem se esbarrando na mente, na razão.
Não conseguem formar rimas certas, nem conseguem compor frases que possam exprimir uma coerência de pensamentos.
Mas elas estão lá....
Tantas...
São elas: esperança, ideal, amor, raiva, resistência, persistir, responder, alcance, provocar, punição, criar, caminho, mãos, verdades, repetição, visão, mentira, canção, utopia, divagação...
São tantas....
Tantas....
Só não têm é encontrado a emoção certa para que possam ser unidas e revelarem a verdade.

Não sou de desistir!
E não vou ....

Uma eu não descartei e é ela que tem feito eu levantar-me diariamente e caminhar com firmeza: ESPERANÇA!

Toda ela devotada ao meu Criador.
Pois sei que Ele me evidenciará tudo e eu tornarei a escrever conforme o Seu querer.
Frases e mais frases que já estão sendo plantadas e que se revelarão em uma frondosa árvore, que abrigará a muitos, fornecendo sombra e alimento.
Foi para isso que Ele me criou!
Foi para isso que eu nasci!
Ser, simplesmente Ana.
Mais nada!!!!


sábado, 23 de julho de 2011

Surpresas....

Quando menos imaginamos, os nossos passos são direcionados a uma direção que jamais poderíamos pensar ser possível.
E quando esse inimaginável começa a tomar forma a nossa frente, nossa mente e coração parecem que não conseguem se entender.

A mente começa a confabular, questionar, impor seus medos e suas razões, se acha no direito de impedir que os passos sejam dados (direito este que ela realmente tem), se coloca na posição de liderança que naturalmente lhe é conferida por nascimento e procura estagnar a concretização desse inimaginável.
Torna difícil, enchendo de campos cegos a paisagem à frente, que apenas está se revelando para ser apreciada, desejada, conquistada.
Mas a razão para!
Afinal, as perguntas são necessárias para que se possa ser feita uma real conceituação de todo o fato.
Os questionamentos nascem para dar forma ao inimaginável e, assim, não haver o infortúnio de se estar em uma estrada que é até bonita, mas que no seu final revela um abismo escuro.

Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!!!!!!

Mas o coração é apaixonável!
O coração é maleável!
O coração não receia dar os passos nessa estrada, independente do seu final.
Ele apenas quer viver o momento, a novidade, dançar conforme o compasso da melodia que está sendo tocada e que lhe faz ficar entorpecido.
O coração se delicia com cada detalhe que seus olhos veem: a flor que desabrocha em meio a algumas pedras, o arco-íris que brilha por entre escassas nuvens de uma tempestade que passou, o beija-flor que dança solto e livre entre lindíssimas árvores cheias de flores, que prenunciam um verão frutífero.
É assim o coração....
Não olha o final, mas olha o agora, o momento.
E é bom!!!!!!
É prazeroso sentir cada um desses detalhes...

E nessa interna turbulência, vou dando os passos....
Para viver o divino, o inimaginável, o que jamais pensei, calculei, premeditei.... sonhei!
O que realmente lá me aguarda ainda não sei....
Só estou com os pés no chão.
Mas cada parte minha pisando de forma diferente...
A mente dá passos precisos, concisos, reais, verdadeiramente racionais...
O coração dá passos risonhos, dançantes, infantis, verdadeiramente emocionais...
E lá vou eu!
Com uma alegria que Deus está colocando em meu coração.....
Vou!!!

Viver a surpresa......
Viver as surpresas.......
Sê-la.
Promove-la.
Recebe-la.

Vou lá, então................

=======
Ana Paula Lopes Pinheiro
10h06min
21-07-2011

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Poetizando

Flor de Mandacaru
Diante de tantas idas e vindas, 
de tantos questionamentos e razões, 
ante a tantas vontades contidas 
e incompreendidos senões, 
estabeleceu-se uma convicção 
que não se choca com a razão. 

E as palavras que ela formula, 
do coração são provenientes. 
Não projeta e nem calcula 
que sejam inconvenientes. 
Mas é apenas o coração 
evidenciando sua pulsação. 

E essa convicção não se firmou 
por causa de questão sentimental. 
Nem mesmo o medo a abalou... 
Nem se transformou em um mal. 
Firmou-se por causa da intenção 
de se permitir a inovação. 

Um restabelecimento de vida 
e de concretizações reais. 
Uma novidade que me convida 
a me tranquilizar de tantos ais. 
Por que dizer-lhe não? 
Por que buscar ir na contramão? 

Os passos que dados vão ser, 
serão reflexo do que divinalmente 
se deve realmente viver: 
a vontade do que Soberanamente 
escreveu com a Sua Mão 
toda uma vívida satisfação. 

Que se pauta no cumprimento 
de fatos, sonhos, querer e vontades, 
que têm o seu nascimento 
na fonte de todas as verdades. 
Pois Ele é a única motivação 
de toda essa inspiração. 

Questioná-Lo jamais irei, 
por ter traçado tal caminho. 
Mas se é Dele, seguirei 
e permitirei todo o carinho 
que me promove tal sensação, 
que não tem má intenção. 

E não vou procurar questionar 
nem mesmo o incompreendido. 
Nem vou buscar solucionar, 
procurar o que está por hora escondido. 
Vou apenas ficar em oração. 
E seguir a divina direção...