sexta-feira, 22 de abril de 2011

Sardes, desperta!

Quantas vezes questionamos o que fazer ou como fazer.
Quando na realidade basta irmos para a Palavra de Deus e lê-la com o coração aberto para que o próprio autor nos dê o discernimento em relação ao que Ele nos escreveu.
Só isso!
Foi o que fiz essa semana...
Lendo sobre Sardes (já que daria um estudo sobre tal carta na minha igreja), abri meu coração para que Deus primeiramente fizesse com que Sua Palavra me confrontasse.
Leia a carta escrita para Sardes antes de continuar a leitura, está em Apocalipse 3.1-6.
Pois dei o estudo hoje...
Foi assim...


As cartas que Cristo enviou às sete igrejas da Ásia podem ter duas linhas de interpretação bíblica: (1) uma de modo escatológico, onde cada uma delas pode ser interpretada como períodos da história da Bíblia; (2) a outra forma mais pessoal, direcionada para nosso próprio crescimento cristão.
Esta última linha de interpretação é que seguirei...
Tais cartas são mensagens diretas para um público específico, a Igreja, ou seja, cristãos de todas as eras e de todas as partes do mundo. Não são para pecadores, pessoas não salvas, mas para IGREJA.
E os "problemas" nelas identificados por Cristo não diferem dos que podem ser encontrados na atualidade.


Mas.... vamos à Igreja de Sardes.


Sardes era uma cidade que possuíra fama, fora centro militar devido sua localização geográfica, ponto de convergência de várias estradas internas da Ásia Menor, que lhe conferiram a condição de centro comercial. Várias fábricas de jóias existiram nessa cidade, além de pomares imensos e lindos. Era um local onde os governadores da Ásia iam com frequência para poder descansar. Em 17d.C. um terremoto acaba com toda sua beleza e esplendor e, mesmo depois de reconstruída, apenas vivia da fama do passado. A cidade que havia sido considerada a principal da Ásia Menor não reergueu-se realmente.


E a igreja?
Essa, pelo que a história eclesiástica nos conta, foi fundada pelo próprio João, sendo uma das primeiras da Ásia a "nascer".
Era uma igreja ativa, onde o Espírito Santo se manifestava livremente, onde os dons espirituais, ministeriais e todas as ações do Espírito Santo podiam ser vistas nos cultos e nos próprios irmãos. Cresceu....
Mas, momento que João obedece à ordenança divina e escreve a carta à igreja de Sardes, fica claro que não era essa a "imagem" que Jesus tinha da igreja.
A igreja de Sardes...
... tinha nome;
... tinha número;
... não sofria perseguição, interna ou externa (o que é de se espantar quando lemos sobre as outras igrejas);
... não há menção de que seguisse as doutrinas de Balaão ou dos nicolaítas;
... não havia "Jezabeis" no seu meio.
MAS ESTAVA MORTA!


"Conheço as suas obras; você tem fama de estar vivo, mas está morto." (Ap 3.1b)


Quem fala isso?
O Soberano, Onisciente e que tem o poder para modificar a situação.
"Estas são as palavras daquele que tem os sete espíritos de Deus e as sete estrelas; conheço as suas obras..." (Ap 3.1a)


Quando lemos na Palavra de Deus a expressão "sete espírito de Deus", está falando-se da plenitude de ação do Espírito Santo. As sete estrelas falam das sete igrejas e, por conseguinte, da totalidade da igreja, pois sete é o número que significa plenitude, totalidade.
E Jesus Cristo é quem tem ambos, ou seja, Ele é a cabeça da Igreja, pois a tem em Suas mãos, controlando, direcionando, e Ele é quem outorga à mesma o agir do Espírito Santo, bastando nos colocarmos em Sua dependência. E, por ser Onisciente, conhece as intenções de nossos corações e nada podemos esconder de Seus olhos.
Nós devemos ter cuidado!
Pois nossos conceitos e preconceitos nos levam a julgar de forma errada a outros (pessoas ou igrejas). Somos tendenciosos a julgar a "espiritualidade" pela aparência, número, pela fama. Era o que acontecia com Sardes, por causa de sua fama, suas atividades e número, era tida como uma igreja viva, mas era morta.
Aprendamos com Samuel, quando este foi ungir o novo rei de Israel. Diante dos filhos de Jessé, ouviu diretamente de Deus: "Não considere sua aparência nem sua altura, pois eu o rejeitei. O Senhor não vê como o homem: o homem vê a aparência, mas o Senhor vê o coração." (1Sm 16.7)
Por isso que Cristo, o Soberano, Aquele que tudo vê, chama a igreja de Sardes de MORTA.


E era morta pela falta de observância quanto à SANTIFICAÇÃO.
A maioria dos que ali estavam não tinham mais suas vestes brancas, apenas poucos.
"No entanto, você tem aí em Sardes uns poucos que não contaminaram as suas vestes. Eles andarão comigo, vestidos de branco, pois são dignos." (Ap 3.4)


Ou seja, os outros estavam contaminados.
Falta de santificação!

Deixaram que os sentimentos mundanos influenciassem suas vidas e, com isso, conformaram-se com o mundo e começaram a viver uma vida de rituais, formalismo.
Não atraíam mais para que houvesse conversões, mas apenas adesões.
As vontades humanas estavam acima da vontade de Deus.
Crescia em número, mas não crescia espiritualmente.


Santificação.
Uma marca que deve prevalecer na igreja.
Algo que apenas o Espírito Santo pode fazer.
Não busca-se a santificação fanaticamente.
Não busca-se a santificação com práticas ritualísticas ou autopenitências.
Não busca-se a santificação com modo de vestir, andar ou falar.
Não!
Ela é proveniente de uma vida de comunhão com o ESPÍRITO SANTO.
Ele nos faz ser novas criaturas e faz com que nosso interior seja TRANSFORMADO.
E, assim, de dentro para fora, nosso vestir, andar e falar é modificado, nossos cultos são verdadeiras manifestações de uma vida de adoração a Deus, onde o formalismo não existe, apenas a ação livre do Espírito Santo com decência e ordem.


Cristo exorta a igreja de Sardes porque a ama.
A exortação divina é uma das faces da Sua graça e misericórdia.
Com amor Ele diz:
"Esteja atento! Fortaleça o que resta e que estava para morrer, pois não achei suas obras perfeitas aos olhos do meu Deus. Lembre-se, portanto, do que você recebeu e ouviu; obedeça e arrependa-se. Mas se você não estiver atento, virei como um ladrão e você não saberá a que hora virei contra você." (Ap 3.2-3)
Sua advertência é necessária na nossa jornada, para que não cheguemos ao estado de Sardes.
Abramos nossos olhos!
Abramos nossos corações!
Não vivamos mais do PASSADO.
Permitamos que Cristo, nosso Senhor, cure nossas feridas, lave-nos de nossos atos pecaminosos, corrija nossas ações.
Devemos ouvi-Lo e compreender que...
"O vencedor será igualmente vestido de branco. Jamais apagarei o seu nome do livro da vida, mas o reconhecerei diante do meu Pai e dos seus anjos." (Ap 3.5)


DEUS LHE ABENÇOE!!!!!!

sábado, 16 de abril de 2011

Ahhhhhh...... o tempo!!!!!

Corre o tempo no seu natural,
nas horas certas,
no seu ritual.
Não modifica o seu itinerário,
cumpre exatamente cada horário.
O tempo existe,
não se desfaz.

É no tempo
que para tudo se é capaz
e tudo depende dele no mundo.
Há coisas que acontecem até em um segundo.
Um chorar,
um amar,
um sonhar,
qualquer coisa que estás a pensar,
até mesmo o gesto que estejas praticando,
ao tempo não impedem,
ele continua caminhando.

Segue o controle do seu Regedor,
cumpre a determinação do seu Senhor.
O Senhor do tempo é Deus,
que o controla do Seu trono lá dos céus.

Então, sabendo como é o tempo,
não permita que nenhum contratempo,
faça com que entres na contramão,
que é a de não realizar os sonhos do teu coração.
E se entregue completamente
e sem temor,
diante do que rege o tempo,
o Senhor.
Pois Ele está agora,
neste momento,
esperando ouvir tuas palavras,
teu lamento,
tuas vontades,
teus medos,
teu sonhar.
Esse é o momento!
Nele podes descansar!

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Palavras que escrevi em um momento de dor...

Escrevi as palavras abaixo em um momento de dor profunda que passei há alguns anos...
E o que contemplei nas imagens transmitidas pelas fotos e vídeos me fizeram lembrar de tudo o que senti.
Por isso que resolvi revelar algumas das tantas palavras que escrevi naquele tempo, pois creio que isso pode fazer com que muitos entendam que o momento do luto é algo muito profundo, mas que em Deus nós podemos encontrar tudo o que é necessário para poder continuar a viver o que Ele tem para nós.

Deus lhe abençoe!

==========

Acabou!
Acabou?
Nem sei ao certo o que falar ou escrever.
Na realidade não sei de mais nada!
Cheguei ao ponto em que tudo é incompreensível, inaceitável, impossível.
O que aconteceu me paralisou por instantes que parecem não acabar.

AI!
Como dói visualizar o espaço vazio.
Como dói tocar no que foi deixado.
É um misto de raiva, tristeza, amargura, saudade...
Dilaceram o meu corpo e apertam o meu coração.
E o mais difícil: ter que erguer mesmo sem forças, pois a vida continua.

Essa é a mais profunda que já senti.
Meus olhos não se cansam de verter lágrimas.
São soluços que se misturam aos gemidos.
Uma sensação de falta de chão, que me derruba literalmente e me mantém agarrada ao vazio, ao nada.
Vivo uma loucura de pensamentos e ações.
Uma insanidade nas palavras e reações.
É desesperador!

"Pai,
pode até parecer que sou ingrata por causa desse meu desespero.
Pode até parecer que não estou confiante por causa de minhas atitudes.
Sei que procuro ainda dar o meu toque naquilo que não tenho poder em fazer.
Tenho agido como uma total inconsequente, como incrédula.
É essa dor, Paizinho!
Dói........
Dá-me Tua mão!
Preciso sentir o Teu abraço.
Não me deixe ficar abatida!
Faça-me sentir a alegria novamente.
A Tua alegria...
Que meu coração sinta a Tua paz.
Enxuga as minhas lágrimas... quero cantar como Davi e dizer que sou como o monte de Sião, que não se abala, pois confia em Ti.
Não posso permitir que esse desânimo me domine e me leve sempre a andar na beira do abismo do desespero.
Preciso de Ti!
Fala comigo!
Não tenho mais sonhos.
Não tenho mais forças.
Mas, ainda que rastejando no caminho, não Te deixarei!
Em nome de Jesus eu rogo...
Amém!"

Dor... uma oração pelos que sofreram perdas...




Dor...
... não há palavras que possam explicar realmente essa sensação.
Não digo dores físicas, mas aquela dor dilacerante no interior de nosso ser.
Por isso as lágrimas, os olhares distantes e, até mesmo, os gritos....
Isso tudo é a alma tentando romper a barreira da invisibilidade, procurando mostrar quem ela é nesse momento, ou seja, ela é DOR.
O tempo passa...
Minutos parecem horas, dias, semanas, anos...
E com o passar dos dias compreendemos que a alma não conseguirá se tornar visível.
Não adianta!
A dor não vai embora....
Ela nos faz sentir algo como um gosto de morte, se podemos dizer que tenha sabor.
O coração descompassa o seu ritmo, fica acelerado, fica lento.
O corpo evidencia um tremor ou uma languidez.
Desmaiamos ou então ficamos como que eletrizados.
Temos vontade de buscar um caminho para o nada e procurar encontrar lá algo que faça com que ela pare.
É uma angústia tão grande que faz com que a sanidade escorra por entre as lágrimas.
Vamos ao chão, aliás, ao fundo do poço.
Dor...
O que fazer?
Como viver com ela?
Falar conosco não adianta, pois a voz da dor sobrepuja outras vozes e assim não conseguimos racionalizar o que está sendo dito.
Parece até que é outro dialeto.
Precisamos das palavras não ditas, que são transmitidas por um abraço, um carinho, um aconchego, um olhar...
Precisamos sentir o AMOR.
Nada mais do que isso!

"Paizinho,
tudo o que aconteceu feriu vidas, ceifou sonhos, desmoronou castelos.
A dor veio e invadiu sem pedir licença e sem comunicar sua chegada.
Não conseguem encontrar paz.
Não conseguem encontrar razão.
Não conseguem nem mesmo orar.
Por isso que venho Te pedir que manifeste Sua misericórdia de uma forma que eles possam sentir o abraço que tinham, o beijo que foi perdido, o carinho que foi silenciado.
Espírito Santo, vá como um óleo sobre as feridas abertas e cure.
E lhes mostre que há ainda vidas para serem vividas.
Deus, que o amanhã chegue logo e que todo essa tempestade acalme-se miraculosamente.
Que suas almas encontrem o descanso necessário e se deixem ser levados pelos Seus braços.
Que esses pais, irmãos, tios, avós, bisavós, amigos (até mesmo nós, distantes) possam reconhecer que Tu és o Único, Aquele que preenche o vazio que hoje existe.
Em Nome de Jesus!
Amém!"