segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Apenas um conselho. Ou seria desabafo?

COMPARTILHAR
Verbo transitivo que significa "ter parte, participar de; partilhar com alguém".

Fiquei com isso matutando em minha mente agora pela manhã...

O advento das redes sociais trouxe muitos benefícios e, para mim, o melhor foi o de poder reencontrar pessoas da nossa história com as quais perdemos contato (eu reencontrei amigos de infância e adolescência das igrejas por onde meu pai pastoreou e dos colégios onde estudei) e, também, conhecer outras que devido a distância ou ao ritmo diário de vida poderíamos não ter o privilégio de conhecer (e tenho tido esse privilégio, conhecer excelentes pessoas, próximas e distantes).
Mas há algo que as redes sociais trouxeram e que tenho notado poucos terem a percepção do que seja: estamos mais expostos naquilo que mais evidencia o que somos, nosso interior, nosso PENSAR.
Sim!
Podemos até não descrever tudo no nosso perfil, esconder até mesmo nossa fisionomia, mas quando vamos naquele quadradinho que está escrito "no que você está pensando agora", "escreva algo" ou "what's happening?", nós sempre expomos nosso pensar.
Muita das vezes repassamos, reproduzimos, apenas alguma frase, figura de outros.
Ou, outro perigo: vamos com a maioria, sem questionar se tal está realmente sendo coerente ou correta naquilo que está propagando.
E pensando nessa palavra COMPARTILHAR, meu coração ficou pesaroso...
Olha o significado de novo lá no início.... Viu?
É por isso que devemos ter CUIDADO!
Se eu clico em 'compartilhar' ou 'retweet', eu estou AFIRMANDO que aquela publicação está de acordo com algo que eu também acredito ou vivo.

Lembro-me de Paulo, o apóstolo.
Em todas as suas cartas ele nos mostra que sempre procurou viver aquilo que acreditava, ao ponto de dizer que preocupava-se em expor "Cristo, e este crucificado".
Esse era o seu modo de pensar e foi isso que ele praticou.
E ele também nos ordena em muitas passagens a 'renovarmos nosso entendimento', 'termos a mente de Cristo', 'não termos mente dividida', termos 'mente frutífera' e outras tantas relativas ao nosso modo de pensar.
Ora, se Deus usa Paulo para deixar-nos escrito tantas passagens dizendo-nos para ter tal cuidado com nosso pensamento, então tenhamos!


Nossos atos nada mais são do que a expressão do nosso pensar.
Nosso falar apenas revelará aquilo que está em nosso pensamento.

Faça então uma auto-análise...
Temos a tendência de julgar os grandes feitos ou mal-feitos.
Mas nos pequenos feitos e mal-feitos o caráter também é revelado.

Não creio que haja misericórdia ou amor quando vamos com a maioria contra a atitude errada de outrem achando-nos senhores da justiça.
Corremos o risco de não estar revelando aquilo que mais devemos revelar: uma vida de caráter transformado.
Pois quando esquecemo-nos de buscar a renovação do nosso entendimento por meio do conhecer o Deus que servimos, vamos aplaudir os desfortúnios de homens cruéis e compartilhar as (in)justiças feitas com as próprias mãos ou coadunar (mesmo em uma simples frase) com outras atitudes que a humanidade tem evidenciado, revelando apenas que estamos distantes do parecer-se com Cristo, como Deus nos ordena.

Por favor!
Não estou dizendo que sou a favor de tais crueldades humanas e que não devemos combatê-las!
Não!
Quero apenas que eu e você possamos aprender dia a dia a sermos realmente agentes de transformação, usando todas as ferramentas possíveis, inclusive as redes sociais, para que tal transformação ocorra.
E nisso temos apenas que ser CARTEIROS (Um texto que escrevi. Já leu? Sim ou não, esse é o link: Somos Carteiros.)

Que todos os dias iniciemos e terminemos nosso dia dizendo:
"Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece as minhas inquietações. Vê se em minha conduta algo Te ofende, e dirige-me pelo caminho eterno." (Sl 139.23-24)


quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Falar... Viver... Sentir... Expor...

Falar...
Como a alma deseja se expressar...
Como a alma procura se revelar...
Como a alma anseia se mostrar...
Como a alma sonha se entregar... 

Viver...
Tudo o que coerentemente se quer...
Tudo o que permanentemente deve ser...
Tudo o que certamente está a crer...
Tudo o que veladamente deseja ter... 

Sentir...
A gostosa sensação da alma a sorrir...
A gostosa sensação dos olhos a pedir...
A gostosa sensação do beijo se permitir...
A gostosa sensação dos sonhos fluir... 

Expor...
Um sentimento que não é temor...
Um sentimento que não tem rancor...
Um sentimento que não transmite dor...
Um sentimento que se pode chamar AMOR...

____________
Escrito em 15 de outubro de 2011

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Aprendendo com Davi


Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova
em mim um espírito reto.” (Sl 51.10)


     Coração, no original hebraico (leb) representa o interior do homem, o seu real “eu”.
     E o caráter é a expressão desse “eu”, é o agir do homem sendo evidenciado em uma conduta boa ou má.
     Aprendemos que a natureza real (a gênese) do caráter do homem era santa e justa (Gn 2.7; Gn 1.27), não procedentes do próprio homem, mas como o termo caráter expressa, uma reprodução exata, reflexo, dos atributos morais e imanentes de Deus. Por causa do pecado (Gn 3.7; Rm 3.23), essa natureza tornou-se podre (corrompida).
     Davi foi um homem com defeitos e debilidades inerentes à sua natureza pecaminosa, porém, evidenciou em suas atitudes uma vida de total dependência de Deus, demonstrou publicamente uma conduta de obediência ao Seu Senhor e Criador, cumprindo Sua vontade e reconhecendo humildemente quem era Deus.
     Buscava a Sua face com diligência e continuamente rendia ao Senhor louvor, honra e adoração com todo o seu ser, reconhecendo seus erros e confessando-os para poder manter sua vida realmente nas mãos do seu Deus.
     Os seus hinos e poesias (registrados na Bíblia, em sua maioria no livro de Salmos) expressam essa sua conduta, mostrando-nos que o seu coração (eu) realmente era de Deus.
     “Cria em mim, ó Deus, (...)” - Façamos essa oração diariamente
     Pois O Senhor é o nosso Pastor e conhece-nos (Jo 10.14).
     Ele nos coloca em Seus ombros nos momentos difíceis, nos dá de beber da Sua fonte e nos conduz por caminhos de justiça (Sl 23).
     E quando buscamos a Deus, tal como Davi fez, ou seja, tendo uma vida de oração e de conhecimento da Palavra de Deus, nós somos limpos e produzimos o fruto que permanece, que é a evidência de um caráter cristão (Jo 15.1-17).
     Vivamos nosso dia-a-dia sabendo que somos ramos de uma “oliveira brava” que ao aceitar Cristo como Salvador foi enxertada na Oliveira Verdadeira, sendo alimentada por Sua seiva e, portanto, participantes de Sua natureza e essa é Santa e Justa, o Amor em toda a sua essência.


Deus lhe abençoe!!!!!!

sábado, 15 de outubro de 2011

Sentindo um sentir.......

Sentir o sentir é algo estranho
para quem o sentir não conhece,
quem sabe creia que não merece
receber algo de tal tamanho.

Sentir tem até um que de prazeroso,
mas também o amargo ele consigo traz.
Pois o sentir inicialmente nos faz
vê-lo de modo meio medroso.

Sentir é por uma estrada caminhar,
mesmo que com passo solitário.
Para o sentir apenas é necessário
que seja possível o seu andar.

...........

Queria poder ter palavras para poder expressar realmente o que meu coração hoje sente.
Não posso definir.....
Não sei se por medo do que seja ou por desconhecimento.
Mas ele está sentindo.....
Ele está batendo.....
Ele está chorando.........

Eu estou sentindo um sentir!

Ana Paula Lopes Pinheiro
07-10-2011
00h23min

Eu não sei parar...





E eu não sei parar de sonhar.....
E eu não sei parar de desejar....
E eu não sei parar de almejar.....
........ que aconteça essa realidade.

E eu não sei parar de dizer.....
E eu não sei parar de querer.....
E eu não sei parar de viver.....
...... cada minuto dessa novidade.

E eu não sei parar de sorrir....
E eu não sei parar de sentir...
E eu não sei parar de seguir...
..... um caminho regado de docilidade.

E eu não sei parar o ardor.....
E eu não sei parar o calor....
E eu não sei parar o fragor.....
...... que me desperta para a felicidade.

Eu eu não sei parar.....
Na verdade, creio que não

EU NÃO QUERO PARAR!!!!!

Ana Paula
23 de setembro de 2011
10:29h

Coração "sente"...

Uma pequena sensação
incomoda meu coração,
mas não tem causado amargura,
nem sequer me tortura.

Revelo-a como um incomodar,
pois não sei que nome lhe dar.
É um não sei que de saudade,
um querer de felicidade.

Se houver um permitir,
vou ao que ele diz seguir.
Deus não me deixará viver
algo que seja para perder.

E os dias assim vão passando...
Tais dias vão me mostrando
que o incômodo pode ser no final
a alegria expressa no total.

Ouso querer me entregar inteiramente
e permitir o que se sente.
Como não quero apenas um ardor,
o necessário tempo vou lhe dispor.

Para que todo o desejo
não se perca apenas em um lampejo,
mas seja mente e coração dizendo sim
ao que promete ser sem fim.
_______
Escrito em 03 de outubro de 2011.

Ahhhhhhhhhhhhhh!!!!!!!!


Quais palavras eu poderei utilizar?
Como irei declarar o que está velado?
Será que devo realmente expressar
o que está dentro de mim guardado?

Ahhhhhhhh!!!!!!!!!!!!!

Que vontade de gritar e desse jeito
enfrentar medos e distâncias romper.
Por mais que não se queira, há o conceito
de situações que combatidas não podem ser.

E em meio ao turbilhão do passado,
das vontades que não foram usufruídas,
unidas ao que hoje me é ofertado
e que revelam ser prazerosas e vívidas,
vou caminhando com o meu coração.
E este se revela completamente
sem ter nem um simples senão.
Deseja demonstrar tudo o que sente,
sendo tudo muito mais do que emoção.

Deseja um olhar, um tocar, a simples presença,
para poder concretizar tudo o que sonha.
E também para chegar a uma sentença,
para permitir a alma ficar mais risonha.

Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!!!!!!!!!!!

Há um grito que está sendo dado interiormente,
mas que agora estou colocando diante de Deus.
Pois sei que Nele eu terei concretamente
a resposta para todos os desejos meus.

E assim vou seguindo a minha jornada,
escondendo para muitos o meu interior,
mas mantendo toda a minha vida devotada 
a cumprir a vontade do meu eterno Salvador.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Não sei que título dar.....

Pensando...... e escrevendo......
Um pequeno poetizar sobre o caminhar de uma alma que anseia por paz....

============

Arrastava-se, sentindo o peso nos ombros e a dor nos pés, que estavam descalços e revelavam as feridas que não se cicatrizavam, mesmo depois de tanto tempo.
Não tinha ânimo, apenas seguia o curso por saber que o caminho era o correto, independente de toda a dor, a angustia e até mesmo o desespero, que por momentos aparecia.
Nem mesmo reparava na beleza da paisagem, pois seus olhos viviam marejados, o que lhe impedia de ver com nitidez.
Mas seguia.....
Havia momentos que caia.
Caía em buracos até já conhecidos, alguns pequenos, que nem perigosos eram por não serem profundos, mas caía.
E quando parava?
Quando isso fazia, ficava por longos períodos tirando a poeria de cima das feridas, massageando os ombros devido a dor crônica que o peso causava e ficava ali, tentando compreender como ainda conseguia ter fôlego para poder arrastar-se no caminho, já que não tinha dentro de si esperança, vontade para tal.
Obedecia apenas a um sussurrar quase inaudível, mas que tinha um quê de correto a se fazer.
Esse sussurrar brotava lá de dentro de si, de palavras que havia ouvido no início da jornada e que ficaram gravadas em algum lugar de sua alma, intocável pela tristeza, amargura, incompreensão, natureza carnal.
E quando em dados momentos chegava à beira do precipício e seus pés machucados escorregavam nos cascalhos, desequilibrando e sentindo seu corpo ser puxado para baixo, isto lhe conferia um medo atroz.
Mesmo com fraqueza mortal, agarrava-se ao chão com mãos ressequidas, que acabavam também machucando-se, mas conseguia erguer e voltar ao caminho.
E assim foi por um tempo...
Sentindo que o esquecimento, o abandono, a solidão era a realidade que deveria aceitar.
Um dia, uma surpresa!
Ouviu com mais nitidez o que o sussurrar lhe falava e compreendeu as palavras, que lhe diziam assim:
"Eu tomei sobre mim as tuas enfermidades e as tuas dores eu levei sobre mim. Fui transpassado pelas tuas transgressões e moído pelas tuas iniquidades; o castigo que te trará a paz estava sobre mim e pelas minhas pisaduras fostes sarado. ACEITE!"
Parou!
Mas foi diferente!
Parou..... olhou para si e deu um brado que há tempos estava sendo dado apenas dentro de si: "EU QUERO SER LIVRE! EU QUERO SER CURADO!"
Como tudo mudou!
Continuou a seguir o caminho, mas agora os seus passos não mais se arrastavam.
Seus passos eram dados com firmeza, certeza.
O peso que estava sobre seus ombros, como que por mágica, fora aliviado.
Quando parava durante o caminhar, era apenas para poder admirar a beleza da paisagem e então chorar, mas não de tristeza, mas de êxtase pelo que seus olhos conseguiam agora vislumbrar.
E assim seguiu seu caminhar......
Reconhecendo que só jamais estivera, apenas não aceitara a companhia Daquele que sempre ao Seu lado estava.
E no final desse caminhar, chegou ao Lar e teve o descanso que desejara desde o início do caminho.

DEUS ESPERA POR TI!!!!!!

terça-feira, 4 de outubro de 2011

QUEBRANDO O SILÊNCIO - 2011


Acabe agora com isso!


Ao nosso redor existem crianças sendo vítimas de Bullying, sofrendo caladas, e com medo.
Crianças que sentem pânico ao se aproximar dos colégios onde estudam, que precisam mudar de escolas várias vezes ao ano, que mesmo depois de se tornarem adultas, tentam superar os traumas vividos por terem sido rotuladas como "diferentes", tímidas, certinha da turma, gordinha como mamute, magras como Olivia palito, etc.
Talvez até conheçamos algumas dessas crianças.
Um grito de socorro pode estar sendo ecoado bem perto de nós, pais, educadores e amigos.
Não podemos ficar calados, vamos dar um basta à violência.
Quebre o silêncio!
Acabe agora com o bullying!

Wiliane Marroni, coordenadora da campanha.
www.quebrandoosilencio.com.br

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Romanos 8.1-17


MENSAGEM QUE PROFERI ONTEM NA AD EM ITAPERUNA-RJ.

======

     Desculpas...
     Argumentos vazios são muitas vezes utilizados para poder explicar o que inexplicavelmente se é.
     Camuflamos os erros (pecados) dizendo:
     “Sou fraco, Jesus compreende!”
     “É minha natureza, Deus sabe!”
     “Ah! Foi sem querer! Infelizmente, não reparei que estava na beira do precipício. Cai.”
     “Deus é amor! Ele jamais irá condenar-me por isso, pois Ele sabe que é apenas isso que eu faço de errado. Ele me entende! Afinal, foi Ele que me fez assim.”
     E por aí vai....
     Vamos para a Palavra de Deus?
     Nela está o que devemos aprender para realmente viver e não ficarmos procurando tais desculpas para continuar pecando.
     Em Romanos há uma passagem que mostra claramente que não há escusas diante de Deus.
     Viver em SANTIDADE não é uma questão de QUERER, mas de OBEDIÊNCIA consciente por saber o que ÉRAMOS, o que FOI FEITO por causa dessa nossa situação e, que por isto, nos tornamos SANTOS.
     Leia Romanos 8.1-17...
     Depois continue a leitura disso que escrevo......
     Leu?
     Não?
     Leia!!!!!
     Tem apenas 17 versículos....
     Rapidinho você lerá...
     Só compreenderá o que escreverei se ler primeiro.....
     Continuemos....

     Romanos 8 pode ser dividido em três partes:
(1) Nos versículos 1 ao 17 vemos como obter, ser e viver em santidade.
(2) Do 18 ao 27 Paulo nos mostra que a glória futura é o “prêmio” dessa vida de santidade.
(3) E, por fim, dos versículos 28 ao 39 temos a RESPOSTA de todo aquele que vive em SANTIDADE ante às tentações e provações da vida.
     Meu querido, nós temos que nos conscientizar que ÉRAMOS SEPARADOS DE DEUS, mas Cristo SE FEZ PECADO por nós, pagando nossa dívida, que era eterna, nos dando o privilégio de sermos santos, SEPARADOS PARA DEUS.
     Por causa da queda (fato registrado em Gênesis 3) todos nós, desde então, somos pecadores e estamos separados, apartados, de Deus (Romanos 3.23).
     Não há como o pecador estar próximo do Santo.
     Foi rompido o elo!
     Como pecadores, tínhamos uma dívida que não havia como ser paga por valores terrenos.
     Obedecíamos à lei do pecado e da morte e esta não quitava nosso débito e nem nos livrava da condenação eterna (que seria a separação eterna de Deus).
     Deus, por Seu amor, proveu o valor necessário para tal pagamento.
     Esse amor não tem como ser explicado por palavras humanas!
     Abraão, lá no Antigo Testamento, já profetizara tal graça, quando respondeu para Isaque, na subida do monte Moriá, que “Deus mesmo para Si há de prover o ‘cordeiro’.” (Gênesis 22.8).
     E Paulo nos diz em Romanos 8 que “Porque aquilo que a lei do pecado fora incapaz de fazer....... Deus o fez, enviando o Seu próprio Filho,”.
     Há como não adorar a Deus por esse amor tão grande?
     Ele FEZ o que éramos INCAPAZES DE FAZER, que era PAGAR A NOSSA DÍVIDA.
     Deus DEU o SEU PRÓPRIO FILHO!
     E Jesus veio!
     Como homem veio...
     E se FEZ PECADO POR NÓS.

     Pare um pouco!
     Medite sobre isso: Você estava eternamente condenado, não havia como realmente escapar dessa condenação, pois suas atitudes, mesmo que fossem “boas”, não quitavam tal dívida. Tais atitudes “boas” tinham como base a lei do pecado e esta era inábil para justificar-nos, pois até os “maus” a obedecem. Então Deus, em Sua infinita misericórdia, antes mesmo de você nascer, desde a fundação do mundo, paga o preço, imola o Cordeiro. E esse cordeiro foi o SEU PRÓPRIO FILHO.
     Meditou?
     Adorou?
     Então continuemos........

     Jesus veio e se fez PECADO por nós e, hoje, eu e você podemos dizer que não vivemos mais segundo a lei do pecado.
     Hoje, vivemos, CAMINHAMOS, segundo a Lei do Espírito. Ou seja, evidenciamos nossa nova condição (SANTOS) pelas marcas visíveis que deixamos em nossa jornada.
     Isso nos condiciona a ter ATITUDES DIFERENTES a partir do momento que temos esse “encontro” com Cristo, quando atendemos ao chamado da Graça Divina, chamado este que é a voz do Espírito nos conscientizando de nossa natureza pecaminosa e nos levando a reconhecer que necessitamos reconhecer Cristo como nosso Salvador e, assim, sermos religados a Deus.
     As atitudes tornam-se diferentes pelo simples fato de não estarmos mais sujeitos ao PECADO e sim ao ESPÍRITO.
     É Ele, o ESPÍRITO, quem vai agir e mover em nós a novidade no andar.
     Ele nos dará um CAMINHO SANTO e tal caminho exige de nós PASSOS SANTOS.
     E tais passos nada mais são do que a exteriorização do que o Espírito fez dentro de nós.
     NÃO HÁ NADA QUE POSSAMOS FAZER para que tal mudança ocorra no nosso interior, mas houve mudança por meio do AGIR DE DEUS e para que outros saibam que realmente houve uma transformação, NOSSO EXTERIOR DEVE EVIDENCIAR tal fato.
     Se realmente tivemos um encontro com Cristo e NASCEMOS DE NOVO, não há como nossas atitudes não EVIDENCIAREM ISSO!
     Romanos 8.5-8 assim diz:
     “Quem vive segundo a carne tem a mente voltada para o que a carne deseja; mas quem vive de acordo com o Espírito, tem a mente voltada para o que o Espírito deseja. A mentalidade da carne é morte, mas a mentalidade do Espírito é vida e paz; a mentalidade da carne é inimiga de Deus porque não se submete à Lei de Deus, nem pode fazê-lo. Quem é dominado pela carne não pode agradar a Deus.”
     Não sou eu que digo isso!
     Nem mesmo Paulo foi o autor, ele apenas registrou o que o Espírito Santo lhe inspirou.
     Isso é DEUS FALANDO!
     Ou seja, se vivermos segundo o que a carne deseja, estamos dizendo que ainda estamos dominados pela lei do pecado, ainda estamos SEPARADOS DE DEUS.
     Mas se vivermos segundo a mentalidade do Espírito, dizemos claramente que estamos nos submetendo à Lei de Deus e, portanto, estamos SEPARADOS PARA DEUS.
     Em nosso CORPO deve haver agora as marcas de Cristo!
     Não podemos nos munir de DESCULPAS acima citadas para não viver em santidade.
     Lembra-se do que escrevi lá no início do texto?
     Das desculpas?
     Não?
     Ei-las:
     “Sou fraco, Jesus compreende!”
     “É minha natureza, Deus sabe!”
     “Ah! Foi sem querer! Infelizmente, não reparei que estava na beira do precipício. Cai.”
     “Deus é amor! Ele jamais irá condenar-me por isso, pois Ele sabe que é apenas isso que eu faço de errado. Ele me entende! Afinal, foi Ele que me fez assim.”
     Não!
     Jamais!
     Deus não nos resgatou para continuarmos no PECADO, pecando.
     Deus nos resgatou para ELE!
     O Espírito Santo (Deus) fez, faz e continuará fazendo a obra em nós, fortificando-nos em nossas fraquezas, dando-nos condição de vencermos a carne (Romanos 8.11).
     Ou seja, não é o QUE EU FAÇO, mas o QUE ELE FEZ E FAZ EM MIM que me condiciona a não mais agir como a carne deseja.
     Não é o QUE VOCÊ FAZ e sim o QUE ELE FEZ E FAZ em você.
     Para tanto, necessário é ter COMUNHÃO COM ELE e não com o que fortificará a carne (nem tudo nos convém).
     Nossos passos devem mostrar que houve mudança, mas a mesma não é por meio de um RITUALISMO ou de ASCETISMOS.
     Ao contrário, por meio da COMUNHÃO (Palavra e Oração) nosso caráter vai sendo TRANSFORMADO, MUDADO, de glória em glória, e isto é VISTO em nossas atitudes, que se tornam SANTAS não apenas para com Deus, mas diante dos HOMENS também.
     “E todos nós, que com a face descoberta contemplamos a glória do Senhor, segundo a Sua imagem, estamos sendo transformados com glória cada vez maior, a qual vem do Senhor, que é o Espírito.” (2ª Corintios 3.18)
     E não nos sentimos “presos” por causa disso.
     Não obedecemos ao que é ética e moralmente descente e honroso por MEDO, pelo contrário, fazemos por GRATIDÃO (pelo que Ele fez) e FÉ (pelo que Ele nos proporcionará).
     E, finalizando, se somos filhos de Deus e, por conseguinte, co-herdeiros com Cristo, não vemos dificuldades em “sofrer” como Cristo, ou seja, renunciar ao nosso eu, desejos e vontades (santificar-se), como Ele fez (Romanos 8.17).
     Somos VASOS DE BARRO, mas com um TESOURO PRECIOSÍSSIMO! (2ª Coríntios 4 – Lindo isso! Leia!)
     Sim!
     Somos SANTOS que SE SANTIFICAM diariamente........
     Deus lhe abençoe!!!!

ANA PAULA PINHEIRO
02/10/2011

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Seguir..... Caminho....

Meus passos guiados são
por quem me deu a salvação.
Ando em perfeita luz,
quem me guia é Jesus.


A estrada é tortuosa,
porém é muito gloriosa.
À frente: espinhos e dores.
Atrás: as mais belas flores.


Dela não me desviarei.
Ao meu Cristo seguirei.
Esse caminho de esplendor
me conduz ao lar de amor.

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

A melodia


Há uma melodia que constantemente ressoa dentro do meu ser.
As notas não sei...
Mas sei que é entoada suave e mansamente em cada canto dentro de mim.
Não quero jamais esquecê-la!
Não quero que ela desapareça!
Mas como?
Será que eu deveria tentar murmurá-la para que alguém possa descobrir suas notas?
Será que eu deveria tentar cantarolá-la para que alguém possa registrá-la?
Será que eu deveria escrevê-la?
Expô-la através das letras?
Será?
Será que ela pode ser expressa assim, com palavras?
Será?
Talvez falte algo...
É uma melodia que jamais foi ouvida.
Como entoar?
Como posso expressar algo que nunca foi tocado?
Mas...
Ela vai perdurar.
Pois vou continuar permitindo que seja cantada dentro de mim.
Mesmo que ela não venha a ultrapassar os limites do meu interior.
E por ouvi-la, ela saberá que estou lhe dando atenção e, assim, poderá dia a dia aumentar sua intensidade.
Tal intensidade poderá fazer com que um dia eu possa conhecer suas notas e cantá-la.
Sim!
Cantar a mais bela música que jamais entoei.
Vou cantá-la!!!

terça-feira, 6 de setembro de 2011

"Eu"

O nosso "eu" não é completamente compreendido.
Nem mesmo por nós.
Por mais que achemos saber o tudo e o todo que nos compreende e envolve, sempre deixamos de perceber o oculto, pois temos segredos em nossos corações que nem mesmo nós sabemos.
E temos que pensar que tal coração está preso dentro de um corpo que é regido por uma lei que nos distancia do que satisfará por completo o "eu".
Tal lei quando obedecida, conferirá ao "eu" momentos apenas, o que não lhe dará a certeza da eternidade.
E isso é ruim!
Meio louco isso!
Mas é verdade!
E nos dias que vão se passando, mais e mais chegamos a essa compreensão: NÃO SABEMOS QUEM SOMOS REALMENTE!
Apenas idealizamos, projetamos de acordo com as tantas informações que nos são fornecidas pelos nossos sentidos.
Mas o que o nosso "eu" realmente já tem desde o início, isto não podemos compreender por total.
Por mais que tentemos.
E o mais hilário nisto, é que o "eu" está em nós.
Como não conhecer por completo aquilo que nós possuímos?
Como não reconhecer o seu compasso?
Como não ouvir as palavras que têm nele o seu nascimento?
Essa busca por se autoconhecer acaba nos levando ao extremo da incompreensão, da sã loucura até, e temos a vontade de sair caminhando rumo ao horizonte das respostas.
E tal jornada é por uma estrada com paisagens que se modificam constantemente, pois vemos aquilo que nossas emoções expõem por nossos olhos.
Por serem por eles expostos, há momentos que até mesmo uma bela paisagem acaba não sendo vista por total, pois as lágrimas deixam tudo embaçado, disforme.
Só que ao concluirmos que nem mesmo o caminhar em busca do horizonte de respostas adiantará, paramos!
Paramos!
Mas, bendito seja tal parar!!!!
É quando paramos que damos condições para que o nosso Criador, quem nos deu esse "eu", possa nos falar.
Quando paramos é que ouvimos!
Quando paramos é que prestamos atenção nos detalhes!
Quando paramos é que aceitamos que jamais compreenderemos em total o nosso "eu"!
Bastando apenas que OUÇAMOS.
Que não nos iludamos com os sons do desespero ou do nada (Sim! Ele também tem som. E é o pior deles, pois nos faz sentir a agonia.).
Sabe o que ouviremos se prestarmos atenção?
Ouça.....
Cristo falou que o Espírito Santo seria nosso companheiro, mestre, advogado, e que estaria conosco até o fim.
Ele é quem vai até o mais profundo do nosso "eu" e o expõe, até mesmo com gemidos inexprimíveis.
O Espírito Santo, que é Deus, nos conhece em todos os mínimos detalhes e faz com que coloquemos sobre o altar até mesmo o que não sabemos por completo.
É Ele!
Não nós!
Por isso que devemos nos deleitar Nele...
Deixar de querer sair andando em busca do horizonte de respostas.
Pois jamais o alcançaremos!
Só nos cansaremos mais ainda e, pior, podemos acabar nos escondendo em cavernas de medo, depressão...
Convido-lhe a juntos pararmos e ouvirmos nosso Deus.
Quer?
Sei que sim.......


Deus lhe abençoe!!!!!


"Sonda-me ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conheces as minhas inquietações. Vê se em minha conduta algo te ofende, e dirige-me pelo caminho eterno." (Sl 139.23-24)

Pensando em parar...


"Consagre ao Senhor tudo o que você faz..." (Pv 16.3)


Tenho tido receio em expor as palavras que estão em minha mente.
Pois quando revelamos um pensar por meio das letras, estas podem acabar não sendo lidas conforme o que se almejava.
Já o falar é algo mágico.
Quando falamos, por mais que não possamos calar o que foi dito, as palavras se misturam ao vento e acabam ganhando suas características naturais, ou seja, acabam desaparecendo com o tempo.
Já as letras grafadas, não!
À elas damos o direito de serem interpretadas conforme o que o coração do leitor esteja ansioso para receber, independente dos tempos e estações.
E isso é perigoso!
Quem escreve sempre estará revelando seu "eu", não adianta!
Não adianta dizer que está fazendo uma leitura das situações, que está apenas expondo algo recebido.
Não!
Sempre escrevemos nosso modo de ver e entender, nossas emoções estão ali nas entrelinhas.
E será que têm me lido mesmo?
Será que o que exponho dá para me revelar?
Devo continuar a escrever?
Acho que sim....
Pois se não fosse para continuar a fazer isso, as palavras fugiriam da minha mente.
Iriam esconder-se nas tantas voltas que existem no cérebro para que não fossem encontradas.
Só que não é isso que acontece.
Pelo contrário!
Elas brotam em profusão.... e como!
Então, lanço fora todo o medo e escrevo!
Foi assim que Deus me criou...... a Ele todo o louvor por tal!

sábado, 27 de agosto de 2011

Desconstruir.... Reconstruir...

“A ruína é um caminho que leva à transformação.”
Ouvi essa frase em um filme que assisti.
E ela me fez pensar.... pensar.... pensar....
Ruína é algo que acabou, desmoronou, foi posto abaixo por vontade própria ou não.
A imagem que vem à nossa mente ao mencionar “ruína” é de destroços, sujeira, final.
Mas se ficarmos estagnados ante ao que tal palavra nos faz visualizar, nada ocorrerá.
Como a frase bem diz, ela é apenas um caminho que leva à transformação.
Desconstruir para poder reconstruir.
Não é fácil!
No momento da desconstrução, da ruína, o feio se expõe, os canos que estão rompidos se tornam visíveis, o mofo mostra que ali estava.
E não falo isso fisicamente, estou falando da desconstrução interna pela qual devemos passar.
É o nosso “eu” sendo exposto, nossas convicções revelando suas fragilidades, preconceitos sendo confrontados, medos sendo revelados.
Não é algo tão suportável ou belo, mas necessário.
É assim a lei da aprendizagem!
Olha pelo que Moisés teve que passar!
E José?
E Pedro, Paulo e tantos outros personagens bíblicos.....
Todos tiveram que desconstruir para que fossem reconstruídos dentro do querer de Deus.
Todos tiveram que ver a ruína interna para que pudessem ser moldados conforme o plano eterno.
Acostumamo-nos.
Acomodamo-nos.
Por isso que Ele vem e permite que mudanças externas ocorram para que internamente seja posto abaixo tudo o que tem impedido o nosso crescer.
Deus quer que mudemos!
Ele quer reconstruir-nos para que possamos viver o excelente que tem para nós.
Por isso que hoje eu lhe digo: não se assuste com a ruína!
Veja nela o caminho para a transformação divina que Deus está lhe proporcionando.
Mudanças nos fazem crescer e crescer dói.
Mas jamais estaremos sós nesse processo.

Pense nisso!!!!!!

Deus lhe abençoe!