domingo, 19 de dezembro de 2010

Um desabafo de fim de ano....

Estou aqui pensando em algo para escrever neste fim de ano.
Procuro em minha mente as palavras que devem expressar esperança, alegria...
Mas apenas encontro um vazio.
Por que será?
Creio que seja consequência das tantas falácias que tenho lido e visto e que tem feito com que meu coração não acredite na 'instituição'.
Creio que seja por estar vendo vãos valores humanos sendo valorizados em detrimento do excelente.
Enfim, as fotografias do ano que se finda revelam os sentimentos mais deploráveis do ser humano, que são o orgulho, autopromoção, inveja, egoísmo e por aí vai...
Homens que procuram promover o seu nome e, infelizmente, colocam o bom nome de uma instituição à baila.
Homens que querem galgar patamares elevados aqui na terra e, para tal, não se preocupam com as vidas sob seu cuidado, mas ousam até usá-las, manipulá-las para poderem lograr seu intento.
Homens que torcem a verdade de acordo com suas vontades, para, assim, obterem mais adeptos que sigam sem questionar suas palavras, pois a verdade distorcida atinge a carência momentânea do ouvinte, mas não lhe mostra a eternidade.
Homens que utilizam ferramentas de alcance das vidas para promoverem controvérsias, desilusões, confusões.
E ao ver tais imagens, minha mente não consegue formular palavras favoráveis ao futuro.
Não!
Pois se o meu coração, que é consciente da verdade que professa e confia no Deus da Verdade, está vazio, imagina os corações de vidas e vidas e vidas que acabam ficando mais perdidas em meio a isso tudo!
Já sei!
Hoje vou abrir um Álbum excelente e passar um tempo vendo as imagens que nele estão.
Meditar nas histórias dos homens que reconheceram que suas vidas não lhes pertenciam, que suas histórias deveriam ser contadas pelo autor, que deixaram fotografias de passos dados com firmeza.
Meditar nas histórias dos homens que ao errarem e ouvirem a repreensão, souberam  postar-se com honradez de coração ante às consequências, não sentindo-se humilhados, mas tratados por quem lhes amava.
E mais, vou ficar mais atenta há uma sequência de fotografias que revela a história de um Homem em especial, que em cada momento ali registrado mostra que é Nele que devo descansar meu coração.
São imagens de um nascimento sem glória, de uma vida devotada ao próximo, do pagamento de uma dívida que não lhe pertencia.
São imagens que curam, que renovam, que salvam.
E após passar um tempo vendo estas imagens, meu coração produzirá as palavras de esperança, alegria.
Palavras que não nascerão por mero arroubo poético, mas pela ação que este Homem irá produzir em minha vida.

Para não terminar sem dizer nada depois de tantas palavras, faço-lhe um convite:
- passe também um tempo vendo este álbum, que é a Palavra de Deus, e permita que este Homem, que é Cristo, produza em seu coração tudo o que é necessário para que você tenha um 2011 diferente deste ano que termina.

Ah!
Como só o pensar em abrir esse álbum já fez brotar algumas palavras!!!
Então.... até mais!
Vou lá ler a Bíblia mais uma vez... e isto farei até o dia que eu puder ver face a face o Seu Autor....
Dia este que está mais perto do que possamos imaginar!!!!!

Deus lhe abençoe!!!!!

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

It is well with my soul

Em recente viagem à minha linda cidade, Rio de Janeiro, em um almoço de família com a presença de alguns pastores e amigos, ao som de um violão ficamos cantando os 'hinos antigos', como muitos gostam de denominar... rs.
Tenho predileção por eles.
Hoje há belas músicas cristãs, claro que há!
Mas, se fizermos uma comparação entre as atuais e as do passado, nota-se uma diferença que talvez os 'levitas da atualidade' não percebam: além do primor das melodias, as letras possuem uma poesia lindíssima, onde a maioria era direcionada em louvor a Deus ou então falando da vinda de Cristo, não eram focadas no homem.
Enfim, sinto saudades de hinos assim e, por esta razão, acabo sendo denominada de 'velha', inclusive pela minha filha. (E olha que tenho 38 anos!!! rs.rs.rs.)
Tudo bem!
Não me importo!
Mas veja se não tenho razão de sentir saudades?!
Ouça esse hino abaixo (tanto em inglês quando em português) e veja a história de como ele foi composto (procurei a mais completa) e me diga se há ou não há diferença?
Nesse 'mercado gospel' de hoje está faltando isso!

Paz!!!

============

Cantada pelo grupo 4Him:

Cantada de forma original, com cenas que mostram a história do hino:


Em português, cantada pelo Vencedores por Cristo:



MÚSICAS QUE MARCAM: It Is Well With My Soul
FONTE: www.nextsongs.wordpress.com

Quem acompanha músicas comumente do hinário americano ou a liturgia de suas igrejas, certamente deve ter ouvido alguma vez a canção “It Is Well With My Soul”.
Mas o que poucos realmente sabem é o contexto por trás dessa bela música, que ela retrata momentos da vida de seu autor.
“It Is Well With My Soul” foi escrita por um advogado de Chicago, Horatio G. Spafford.
À primeira vista deve-se pensar que para escrever uma canção de adoração intitulada ‘Tudo Está Bem em Minha Alma’ você tem que no mínimo ser um rico e bem-sucedido advogado de Chicago.
Mas as palavras: “Quando tristezas agitarem como vagas do mar […] tudo está bem em minha alma” não foram escritas durante o período mais feliz da vida de Spafford.
Pelo contrário, elas vieram de um homem que sofreu uma tragédia pessoal quase inimaginável.
Horatio G. Spafford e sua esposa, Anna, eram muito bem conhecidos na Chicago da década de 1860.
E isso não apenas por causa da carreira de advogado e dos esforços nos negócios.
Os Spafford eram também proeminentes apoiadores e amigos próximos de D. L. Moody, o famoso pregrador.
Em 1870, contudo, as coisas começaram a ir mal.
O filho único dos Spafford morreu de escarlatina com quatro anos de idade.
Um ano depois, foi o fogo em vez da febre que o golpeou.
Horatio investiu pesado em propriedades nas margens do Lago Michigan.
Em 1871, cada um desses investimentos foi varrido pelo grande Incêndio de Chicago.
Ciente do impacto que esses desastres causaram na família, Horatio decidiu levar sua esposa e quatro filhas para passar férias na Inglaterra.
E não só eles precisavam descansar – D. L. Moody precisava de ajuda.
Ele estava viajando pela Britânia em uma de suas grandes campanhas evangelísticas e Horatio e Anna planejaram se juntar a Moody no final de 1873.
Assim, os Spafford viajaram para New York em novembro, de onde seguiriam no vapor francês ‘Ville de Havre’ através do Atlântico.
Assim que iam subir a bordo, um negócio de última hora forçou Horatio a se atrasar.
Sem querer arruinar as férias da família, Spafford persuadiu-os a continuar a viagem como planejado.
Ele seguiria posteriormente.
Decidido isto, Anna e suas quatro filhas navegaram para leste em direção a Europa enquanto Spafford retornou para oeste, para Chicago.
Só nove dias mais tarde, Spafford recebeu um telegrama de sua esposa em Wales e ele dizia: “Sobrevivi sozinha.”
No dia 02 de novembro de 1873, o ‘Ville de Havre’ colidiu com ‘O Lochearn’, uma embarcação inglesa.
‘Ville de Havre’ afundou em apenas 12 minutos, ceifando a vida de 226 pessoas.
Anna Spafford permaneceu bravamente no convés com suas filhas Annie, Maggie, Bessie e Tanetta se agarrando desesperadamente a ela.
Sua última lembrança foi de seu bebê sendo arrancado violentamente de seus braços pela força das águas.
Anna só escapou do destino de suas filhas por causa de uma prancha de madeira que flutuou sob seu corpo inconsciente e a manteve na superfície.
Quando os sobreviventes do naufrágio foram resgatados, a primeira reação da Sra. Spafford foi de completo desespero.
Então ela ouviu uma voz lhe dizendo: “Você foi poupada por um propósito”.
Imediatamente se lembrou das palavras de um amigo: “É fácil ser agradecido e bom quando você tem tanto, mas cuidado pra não ser um amigo-de-tempo-bom de Deus.”
Ao ouvir a notícia terrível, Horatio Spafford embarcou no primeiro navio pra New York para se juntar a sua esposa enlutada.
Bertha Spafford (a quinta filha de Horatio e Anna, nascida depois) explicou que durante a viagem do seu pai, o capitão do navio o chamou para a sala de controle, dizendo: “Um cálculo cuidadoso foi feito e eu creio que estamos agora passando pelo lugar onde o ‘Ville de Havre’ naufragou. A água tem três milhas (4,82 km) de profundidade.”
Horatio então retornou à sua cabine e redigiu a letra desse grande hino.
As palavras que Spafford escreveu naquele dia vêm de 2º Reis 4:26.
Elas ecoam a resposta da mulher sunamita à morte repentina de seu único filho.
Embora nós saibamos que “sua alma estava em amargura”, ela ainda manteve seu “tudo está bem”.
E a canção de Spafford revela um homem cuja confiança no Senhor era tão à prova de oscilações como a dela.
Sua adoração não dependia apenas do que ele sentia.
“Qualquer que seja minha  porção”, ele diz, faça chuva ou faça sol, prazer ou dor, sucesso ou fracasso, “Tu me ensinaste a dizer: Tudo está bem, tudo está bem em minha alma.”
O manuscrito original possui apenas quatro versos, mas a filha de Horatio afirma que o quarto verso foi adicionado depois e que a linha final foi ligeiramente modificada.
A melodia, escrita por Philip Bliss, foi intitulada ‘Ville du Havre’, o mesmo nome do navio no qual ocorrera o acidente.
Após o naufrágio do ‘Ville du Havre’, Anna deu à luz mais duas filhas e um filho.
Em 11 de fevereiro de 1880, esse seu único filho, também chamado Horatio, morreu com quatro anos de idade, por escarlatina (doença infecciosa causada por bactéria).
Em agosto de 1881, os Spafford fundaram em Jerusalém uma sociedade utópica nomeada Colônia Americana.
Membros da colônia, juntos com cristãos suecos que posteriormente se uniram a eles, iniciaram um trabalho filantrópico entre o povo de Jerusalém, independentemente de religião.
Com isso ganharam a confiança de comunidades muçulmanas, judias e cristãs do local.
Durante e logo após a Primeira Guerra Mundial, a Colônia Americana (localizada na área da frente oriental da guerra) teve um papel fundamental no apoio a estas comunidades, trabalhando em hospitais, orfanatos e preparando refeições, dentre outras obras de caridade.
Spafford faleceu em 16 de outubro de 1888, com malária, sendo enterrado em Jerusalém.
“Em It Is Well”, o eu lírico se foca nele mesmo.
Ele focaliza o que Deus já fez (Ó bênção deste glorioso pensamento, Meu pecado … está pregado na cruz e eu não o carrego mais) e o que Deus fará no futuro (Senhor, vem o dia quando minha fé será vista, a trombeta ressoará e o Senhor descerá).
De fato, a adoração de Spafford nos traz de volta ao resultado final: ao fim do dia, venha o inferno ou o dilúvio, é “essa bendita segurança” que nos mantém firmes!

terça-feira, 24 de agosto de 2010

O que farias no céu?

Após ler um texto do saudoso Emílio Conde, ousei poetizar sobre o que escreveu.
Em resumo mostra-nos que o céu não é um lugar qualquer para quaisquer pessoas, apenas os santos lá podem entrar e permanecer.
Como não somos santos de nascimento, Deus, que nos AMA, santifica-nos por meio do SEU FILHO JESUS.
Quer ir para o céu?
Qual é o seu estado atual?
Santo?
Se conscientemente sabe que não é ainda, entregue-se a QUEM lhe fará NASCER DE NOVO.


Digamos que um dia viesse
a entrar de algum modo no céu.
Que nenhum constrangimento tivesse,
entrasse na condição de réu.
O que você faria?
Os seres celestiais não lhe expulsariam,
pois creio que disso não necessitariam.
Quem sabe, um simples olhar
fizesse com que viesse a notar.
Notar o quê?
Que ao redor tudo é santidade,
pureza, total paz e amor.
Ficaria transtornado e com vontade
de tirar sua consciência impura
daquele local de esplendor.
E se deparasse com os habitantes
com suas vestes de justiça, brilhantes?
Qual seria sua reação?
O que sentiria então?
Notaria que sem roupas seu corpo estaria,
que não teria condições,
de miséria, vergonha, seria o seu estado.
Lembraria que a veste de justiça
que Cristo sempre lhe entregava,
todas as vezes em receber
você tinha negado.
O que fazer?
E as músicas, os hinos que ali são cantados?
Feririam seus ouvidos por certo.
Você fugiria dali.
Aquelas harpas por anjos tocadas
lhe fariam sentir pavor, por certo.
Pois não poderia acompanhar
nem um acorde, nenhum tocar.
Seria muita pureza perto do seu pecado vil.
Você correria à procura de outro redil.
Pergunto ainda:
O que faria?
Que faria diante de tanta pureza,
que relatar aqui seria pouco?
Qual a atitude?
Qual a reação diante da beleza?
Ficaria totalmente louco.
Não teria a mesma linguagem.
Como conversaria?
Nem poderia sentir o esplendor.
Os santos vivem,
sentem
falam e
agem
de forma diferente do pecador.
Não conseguiria aguentar
ver a essência do amar.
A você mesmo expulsaria
daquele local de eternas alegrias.
Diga-me se aceitaria ali viver
totalmente anormal, em tudo deslocado,
com sofrimento moral, desajustado?
Conseguiria algo ali ter?
Então, porque ir?
Não viva no mundo de ilusão,
o céu não é um local qualquer.
Precisa ter uma alma, um espírito são.
Precisa salvação obter.
E, assim, ....
você receberá um novo nome.
você desvenderá os olhos.
você terá seu corpo vestido.
você limpará todo o pecado que consome.
você dará à sua vida um novo sentido.
E, assim, ....
você me responderá com convicção
à essa nova indagação:
Desse modo, como seria?
O que você faria então?

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Angústia...

Não posso negar: há momentos que é esse o sentimento que meu coração sente na jornada. E as palavras dos que carinhosamente querem nos ajudar não surtem o efeito desejado. Ainda mais quando o que eu apenas quero é uma definição do que realmente fazer. Caneta e papel nas mãos.... Alma exposta..... Respostas buscadas..... Palavras nascem..... Leia-as!


========

Angústia........
....... necessidade de gritar!
Na realidade, necessidade de ouvir.
Ouvir uma palavra que direcione,
mostre o caminho,
que diga sim ou não.
Conforto.
Palavras que mostrem o que não vemos.
Palavras que mostrem até se estamos errados.


Mudanças.....
Será como?
O novo sempre nos deixa receosos,
sempre nos deixa com expectativas boas,
algumas ruins.
A vontade de chorar é intensa......
Choramos!
Pois DÓI!
Uma dor que não tem explicação, localização.
É generalizada.......
E as lágrimas que rolam têm o calor das lembranças...


São tantas rotulações......
São tantos senões......
São tantos julgamentos.........
São tantas diferenciações.....


Mas uma coisa é certa: não estamos sós.
Confiar em Deus não é apenas uma sugestão,
é uma realidade vívida, que traz espanto e
incompreensão para os que assim não fazem.


Por isso, confiamos NELE.
Estamos em SEU colo.....


MAS........ precisamos sempre de MAIS!!!!!!!


Então.... ouçamos este hino e aguardemos o MAIS....


terça-feira, 10 de agosto de 2010

Caminhar

Memórias...
Escrita em 02 de março de 2006 às 13h07min.
====




Caminhar...
... é realmente uma atitude corajosa de se tomar.


Pois o mais cômodo é ficar sentado
e esperar que a vida passe à nossa frente.
Assim, não ficamos cansados,
não sentimos dor,
não necessitamos de bússula,
direcionamento.
Mas, também,
perdemos o prazer de fazer diferença nessa vida.


Quando nos acomodamos,
tornamo-nos NINGUÉM,
tornamo-nos SEM NOME.


Ao CAMINHAR,
podemos até não ver ou ouvir,
mas somos VISTOS
e nosso nome é CONHECIDO.


Então...
... calcemos os pés com o Evangelho da Paz,
... vistamos a couraça da Justiça,
... coloquemos o capacete da Salvação,
... tenhamos ao nosso redor a Verdade,
... tomemos o escudo da Fé...
... e CAMINHEMOS!

Memórias... escrita em 14 de fevereiro de 2006.

Coragem...
... para tomar decisões que provocarão mudanças significativas em minha jornada.
... para reconhecer que posso ir além do que meu olhos veem ao horizonte.
... para saber que não estarei só!


É disso que estou precisando hoje.
Mas não me desespero.
Sou feliz por ter Cristo ao meu lado e sei que Ele está me direcionando.
Sei que não permitirá que eu caia no vazio, mesmo que eu chegue à beira dele.


Amo-O!


Então, orarei e conversarei com Ele.
Breve, muito breve, terei...
... a decisão.
... a visão.
... o conhecimento.

sábado, 17 de julho de 2010

Falar com Deus...

Agi como esse hino fala....... obtive o MELHOR DE DEUS!
Aleluia!!!!!!


Com o coração chorando...

Nestes últimos dias tenho lido algumas coisas que escrevi há algum tempo.
E encontrei esse poema que escrevi em um momento muito conturbado da minha vida, onde vivi situações que jamais poderia imaginar que pudesse acontecer comigo.
Mas, depois de quase dois anos, posso dizer que Deus é Pai e mostra-nos Seu cuidado.
Quando pensei que tudo iria ruir ou que iria haver uma solução da forma que eu queria, Ele veio e mostrou-me o SEU querer e eu tenho permitido que este é que se cumpra.
Por isso, quero lhe dizer apenas isso: DESCANSE EM DEUS!
Ele sabe o que é melhor para você.....


Paz!

========


Dilacerado está o meu coração,
minha mente está em confusão,
meu corpo sente leve tremor
e minha alma sente forte dor.

Lágrimas vindas da alma

jorram até mesmo na falsa calma.
Sinto-me totalmente esquartejada,
com minha vida quebrada.

Mas eu Lhe imploro, Pai,
que ouça esse meu 'ai',
que venha e faça o milagre
e que eu me sinta alegre.

Que eu veja o que se esconde
dentro dessa estrada defronte.
E que um piscar de luz a brilhar
eu possa ver e acreditar.

Acreditar que o 'não' ainda não foi dado
e que eu possa sentir o Teu cuidado.
E venha ter de novo a paz,
que hoje se torna tão fugaz.

"Meu Pai, olha para mim!
O inimigo veio com toda fúria e tem me deixado em pedaços.
Não consigo erguer a cabeça, nem os olhos, para ao menos buscar uma luz.
Pai! Socorro!"


Ana
13 de agosto de 2008.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Não desisto!

Remexendo nos meus escritos, encontrei este texto abaixo que foi escrito início do ano de 2010 (precisamente dia 07 de janeiro), quando meu cunhado Toninho levou um tiro quando assalto no dia 31 de dezembro (ao romper do ano), com ele estava minha irmã Luciana, em uma cidade perto de Salvador.
Por negligência médica veio a falecer 3 dias depois.
Na realidade, foi um fim de ano muito conturbado para mim e minha irmã.
Ele perdendo o noivo e eu vivenciado já há alguns meses um momento muito triste....
Mas, DEUS É PAI!
E em Sua Palavra sempre encontrei e encontro o que preciso para poder erguer a cabeça e continuar a jornada.
Está difícil para você?
Confia em Deus!
Dou-lhe a plena certeza de que quando tudo passar, você vai agir como estou agindo hoje, ou seja, estou lendo estas palavras que escrevi e me alegrando por comprovar que DEUS ESTEVE COMIGO o tempo todo!


Paz!


=========


"Mas tu, Senhor, é o escudo que me protege; és a minha glória e me fazes andar de cabeça erguida." (Sl 3.3)

O que seria de nós se não fosse essa certeza?
Tudo ao redor desmorona, tudo se direciona para uma incerteza e desespero.
Parece que não vamos acordar mais com notícias boas, só ruins.
Esse versículo nos conforta sempre.
Pois nos mostra que não devemos nada temer, independente de qual seja a situação.
E ela tem se mostrado muito desfavorável atualmente, principalmente diante da violência.
Tudo que vem ocorrendo faz com que nós vivenciemos uma das piores sensações que pode existir: o de impotência.
Impotência diante da violência e da negligência médica.
Nos sentimos mais um número de estatísticas.
E isso é ruim!!!
Não questionamos nada a Deus, claro!
Mas que fica um gosto amargo de não entendimento de nada na boca , isso fica!
QUE AVALANCHE!!!!

Mas reconheço que o Senhor é o meu escudo, ou seja, os dardos podem até vir, alguns podem até me atingir, mas serão apenas aqueles que forem permissão de Deus, pois o escudo não está em minhas mãos, Ele, nosso Deus, é o escudo.
Ele se direciona sempre para onde estiver vindo o pior ataque....
Reconheço que por isso, toda a glória é para Ele.
Nós não somos e nem podemos nada.
Ele é o único que merece de nós o louvor e, nesse ponto, Ele é ciumento.
Não admite que tal seja direcionado a outrem.
Como também reconheço que a Sua proteção me alcança por eu buscá-Lo de toda a sinceridade de coração e permitir que Sua Palavra me lave diariamente e, assim, possa fazer com que ela seja viva e eficaz no meu interior, fazendo-me andar de cabeça erguida, ou seja, de consciência tranquila de que o que me vier a acontecer jamais será por estar em erro, como muitos gostam de dizer.

Mas, por infelizmente sermos humanos e frágeis, muitas vezes esquecemo-nos disso.
Ainda mais diante das situações completamente distorcidas do que sonhamos e desejamos, do que até mesmo buscamos diariamente.

Enfim, vida cristã: uma jornada prazerosa não à vista dos homens...


Só que não desisto!

segunda-feira, 21 de junho de 2010

“Que é a verdade?” (Jo 18.38a)

TEXTO PUBLICADO NO JORNAL "A CRUZ EM FOCO" DA AD EM ITAPERUNA-RJ.
=========

Há uma verdade que não permite ser abafada pelo silêncio ou pelas situações não queridas.

Ela rompe os limites humanos e se mostra com todas as suas posições e respostas.

Não se intima pela dúvida, pelo não querer dizer, nem mesmo pelas mãos que se lavam, pela indiferença.

Não se esconde atrás de medos e nem foge das possibilidades.

A verdade não busca se definir. Ela é!

É firme. É coerente. É fiel.

Não uma teoria, sistema especulativo de fãs filosofias.

Nem nascida de compreensões intelectuais.

A verdade se expressa dessa forma: é.

Tem uma beleza que não necessita de maquiagem para se mostrar.

E não tem receio de se revelar por inteiro.

Mostra suas cores, expressa todos os seus atos.

Fala convictamente, não por buscar o conhecimento, mas por ser.

Mas é temida, pois confronta.

Não tem sido realmente aceita.

E a pergunta “Que é a verdade?” jamais tem a resposta real.

Inútil é buscar tal resposta fora dela mesma, ou seja, da verdade.

Sim! A verdade é a resposta à questão.

Pilatos esteve ante ela.

Questionou o inquestionável naquele momento, pois a verdade estava diante dos seus olhos.

Quantos agem como ele!

Não a vêem diante de si, ou se vêem, dão preferência às vozes da multidão, da sociedade, da comodidade ou, até mesmo, do medo.

Ainda não sabe quem é a verdade?

Vou dizer o nome dela, assim você reconhecerá que já a viu: ela se chama JESUS CRISTO.

Ele mesmo disse: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida.” (Jo 14.6a)

Querido leitor, se este questionamento tem aprisionado sua mente em uma cela cujas grades da dúvida parecem diariamente ter um calibre maior, saiba que há como dessa cela ser livre.

Convido-lhe a conhecer a verdade, ou seja, Cristo, e, por seu intermédio, estará livre.

A verdade está aí!

Aceite-a! Apenas isso.

Não lave as mãos! Não!

Em Cristo,

Ana Paula Lopes Pinheiro

terça-feira, 8 de junho de 2010

AD no Brasil - MEU APELO!

Vou expor aqui a dor que tenho sentido em minha alma quanto ao que tem ocorrido quanto a minha denominação (AD no Brasil).

Por não nos importarmos em realmente conhecer as artimanhas do inimigo, acabamos caindo em armadilhas.

E o maior interesse dele é um só: que o Evangelho não seja realmente PREGADO.

Achamos que somos sabedores de tudo e poderosos por sermos tão sabedores.

Mas infelizmente caímos no engodo mais pueril....

Camuflada com a máscara da “verdade que deve ser revelada”, temos entregue ao inimigo todas as nossas fraquezas e, com isso, estamos mercês a inúmeros ataques que poderiam ser desnecessários.

O que se ganha em revelar aos que não são do nosso meio o que conosco ocorre?

É necessário revelar falhas e fraquezas dessa forma?

Não creio que seja necessário!

O que temos que revelar, mostrar, escancarar pelos meios possíveis não deve ser outro tema que não seja A CRUZ – CRISTO.

Essa é a nossa mensagem!

Os nossos pés devem estar calçados com o Evangelho da Paz, não com o da discórdia ou com o das sujeiras internas.

Se existem ou não tais fatos, quantas almas estão sendo ganhas quando deixamos que isso chegue até elas?

Até mesmo dentro de nossa denominação, quantos serão que têm maturidade para poder enfrentar tal situação?

E o inimigo conseguiu!

Conseguiu......

Não quero entrar no mérito de quem é ou não culpado.

Não quero aqui dizer que os fatos sejam falsos ou verdadeiros.

Nem quero argumentar que isso tudo esteja acontecendo porque permitiram chegar a esse ponto.

Não!

Mas que a prudência faltou em meio a isso tudo faltou sim.

Erros existem, mas não para serem tratados dessa forma.

Lembro-me da mulher adúltera e da atitude que Cristo teve.

Lembro-me de como Paulo tratou a questão de Pedro, de Silas e outras tantas das Igrejas por ele fundadas.

Lembro-me de outros fatos bíblicos......

Pena que alguns, tão conhecedores da Palavra, não têm se lembrado!!!

ADMIRO TODOS!

E peço: USEMOS OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO PARA EXPOR A PALAVRA DE DEUS!!!!

As almas estão precisando de JESUS, não de problemas de nossa denominação nem de mega idéias que necessitem de milhões para que elas sejam alcançadas.

Precisam apenas que FALEMOS SOBRE CRISTO.